sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Percurso

Força, força, pequenina – de cabeça apertada.
Falta pouco – que vem ao mundo essa coisinha.
Abra os olhos, bonitinha, que a dor é apartada.
Falta pouco, nada - que a luz é bem fraquinha.

Upa, upa, garotinha – que você é esperada.
Troca de colo, que arrumo essa mantinha.
Mama e dorme – papai vem de sua jornada.
Falta nada, que lhe cai bem essa roupinha.

Ande e corra, menininha – a sala é atapetada.
Cante para a mamãe e dance para a vizinha.
Coma tudo que puder – a comida é mastigada.
Falta nada, nada para arrumar essa carinha.

Leia tudo e escreva – que a titia é aplicada.
Ninguém gosta se não anda direitinha.
Limpe essa cara – que já gosta maquiada.
Falta nada, falta pouco a ser mocinha.

Sangre e gema – que a dor é exagerada.
Não reclame e aguente tudo sozinha.
Volte logo – cuidado com a garotada.
Falta nada e não controla a mesadinha.

Pode discutir – mas não seja mal educada.
Ninguém suporta ver sua cara azedinha.
Durma cedo – que já raia a invernada.
Falta nada para arrumar sua trouxinha.

Amor também dói – sua boba estabanada.
E sem cartilha que dê rota à sua vidinha.
Chore que passa – já é outra a empreitada.
Falta nada, falta pouco para ser noivinha.

A barriga pesa sim – mulher emprenhada.
E sem que lhe digam como ser mãezinha.
Reze que passa – um seio a cada mamada.
Falta pouco, nada e tirará sua dormidinha.

Trabalhar é duro – respeite a cara suada.
Não estudou nada para ser professorinha.
Encare a sina – quem sabe noutra estrada.
Falta nada, pouco e será conformadinha.

O filho cresce – logo será ultrapassada.
Não se meta, que essa coisa é rapidinha.
Padeça e sofra – que lá vem outra noitada.
Falta pouco e já começa a novelinha.

O tempo passa – quando vê é madrugada.
E sem que pense, já começa a tardinha.
Relembre e remoa – que a vida é passada.
Falta nada para sua cara franzidinha.

Foi sem viver – mulher comum de boiada.
Seu destino foi ser só essa sujeitinha.
Só lhe resta o além – que é a última parada.
Falta um verso e só será poesia minha.


5 comentários:

  1. Querido amigo Augusto que prazer voc~e de volta, obrigada pelo carinho lá no meu espaço!
    Lindos versos que mostram os ciclos da vida, vida comum, vida bendita, embora muitas vezes seja mesmo assim, só se percebe quando se chega quase ao fim!
    Bem inspirado, amei ler!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  2. Olá Augusto,

    Belo, sofrido e verdadeiro esse Percurso...

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Que bom Augusto que você retornou. Obrigado pelo comentário. Com certeza vir a esse mundo já é uma grande aventura onde os obstáculos já começa ao nascer. Abraço

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema de uma vida ...Valeu! Bom te ler! abraços praianos,chica

    ResponderExcluir
  5. Ah mano como é sofrida essa vida,mas cada
    um de n´s temos nossas escolhas, então cada
    um passe o que escolheu, viver sofrer ou ser feliz
    Eu adorei cada palavras escrita aqui,,,,Que pena que
    muitas vezes tem que ser assim
    Bjusss

    🍏🌱

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.