sábado, 18 de abril de 2015

Estranhamento

Tudo se torna tão comum que acabamos pensando e nos conformando que tudo sempre foi assim e sempre assim será, porque encaramos o mundo como natural, mesmo que ele não o seja. O cotidiano nos acomoda e nos aprisiona.
O modo como olhamos as coisas no mundo não é neutro, mas sim pleno de conceitos herdados, os preconceitos, advindos do senso comum. Daí a necessidade de quebrar esse modo de ver a realidade porque a visão que herdamos dela, e como a reproduzimos, está equivocada devido aos julgamentos, preconceitos, sentimentos que são influenciados pela mídia, escola, família, religião, partidos políticos etc. Assim, inconformados, temos urgência em aprimorar esse gesto e construir um olhar crítico para a realidade e esse se faz com base no estranhamento do cotidiano.  
Para desenvolvermos um pensamento crítico e autônomo precisamos nos afastar de muitas dessas mediações, temporariamente e aos poucos, colocá-las em foco, para observarmos a realidade e podermos analisá-la, comparar com o que pensávamos antes e chegarmos a novas conclusões. Dessa maneira poderemos formar novos valores ou mantermos os que consideramos que são importantes para nossas vidas.
Porém, o estranhamento deve ser acompanhado pela desnaturalização do olhar, pelo desenvolvimento de uma atitude que evite considerar como natural o mundo que nos cerca, já que a maneira como o olhamos, no mais das vezes, é socialmente construída.
Dessa forma, possibilitamos entender suas nuances e talvez mudar de postura ou opinião, caso esta se mostre estranha. Para todas as coisas que temos contato, desde as mais comuns até as mais imprevisíveis e complexas, tentamos encontrar uma explicação. Assim, baseados no conjunto de dados que acumulamos durante a vida, damos respostas às nossas indagações, porque precisamos dar respostas a tudo e como muitas delas já estão prontas, o passo para a acomodação é curto.

O olhar de estranhamento possibilita uma nova ferramenta para se avaliar as coisas, mesmo sabendo que estamos impregnados de senso comum. Essa ferramenta tem uma base racional, que nos permite distanciar ao máximo de todas as possíveis ideias preconcebidas. É um trabalho demorado, mas recompensador, uma vez que possibilita, dentre outras coisas, derrubar preconceitos e dogmas nocivos.


18 comentários:

  1. Amigo Augusto, muito bom texto, derrubar preconceitos e dogmas nocivos!
    Não me conformo com o que percebo e tomo conhecimento do que acontece no mundo, pois sempre me sinto tremendamente chocada com as atrocidades!
    Estranhamento, pois é, mas precisamos tentar entender, é como ouvir um barulho que incomoda, mas se formos verificar porque está acontecendo o barulho e ao entendermos, esse deixa de incomodar!
    Abraços meu amigo querido, estava com saudade de você!

    ResponderExcluir
  2. E quantas coisas nos causa esse estranhamento
    Mas a pausa para reflexão muda o nosso modo de ver determinados fatos, comportamentos e até determinadas atitudes Respaldados podemos compreendê-las
    Aceitar é outra coisa bem mais complexa.
    Saudades de ti amigo amigo Augusto
    Um abraço apertadinho e um super beijo

    ResponderExcluir
  3. Estranhamento

    Mano vejo tanto disso, o mundo , as pessoas
    até em familia vc sabe disso, aceitar as coisas não
    é fácil sabemos, podemos entender mas nem sempre
    aceitar...e muitas vezes ficamos calados diante dos fatos
    Vale a pena ou não não sei é complicado

    Bjuss de bom domingo
    Rita

    ResponderExcluir
  4. Oi Augusto!
    Belo texto. Difícil mesmo é derrubar preconceitos de verdade e não só na aparência.
    Amigo, quero saber direitinho da história do macarrão no ferro de passar kkkk
    Não acredito! kkkkk
    Bjssss e uma semana de muito sucesso e abençoada p/vcs

    ResponderExcluir
  5. Augusto, eu sou eu e minha circunstância - que inclui conceitos e preconceitos. Alguns deles gravados no DNA ! Difícil! Um desafio permanente!
    Fiquei surpresa! Encontrei uma alma que se encanta, como eu, com Botero! Beijo.
    Feliz semana.

    ResponderExcluir
  6. OI AUGUSTO!
    BELO E LÚCIDO TEU TEXTO.
    UM ESTRANHAMENTO, QUE FRENTE A ALGUMAS COISAS NOS ACORDA DESTE ACOMODAMENTO NO QUAL VIVEMOS E NESSES MOMENTOS APENAS, DEIXAMOS DE SER MEROS OBSERVADORES DO MUNDO QUE NOS CERCA.
    OBRIGADA AMIGO, PELAS CONSIDERAÇÕES ELOGIOSAS LÁ NO "SÓ PRA DIZER".
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá Augusto,

    Excelentes considerações!
    Creio que este olhar de estranhamento anda bem escasso entre nós, que temos o hábito de olhar tudo apressadamente, como se nada de novo pudéssemos observar em cada coisa, circunstância, pessoas ou fatos. Nossa bagagem pré-concebida ofusca o nosso olhar, impedindo-nos um olhar isento e mais crítico, que nos proporcione (re)formular nossos próprios conceitos e idealizar a nossa própria filosofia de vida. E você tem razão ao asseverar que o olhar de estranhamento é instrumento altamente eficaz para derrubar preconceitos e dogmas 'nocivos'.

    Acabei de pegar seu livro para ler. Estava seguindo um lista de leitura de acordo com a chegada dos livros. Agora é a vez de "Um dia de domingo".

    Ótimo feriado e feliz semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Oi Augusto,
    Estava sumido hein?!
    Como sempre um texto que traz importantes questionamentos.
    Não é fácil se livrar desse olhar de estranhamento,
    mas com treino é possível.
    É tão bom chegar a novas conclusões,
    afinal muitas coisas possuem infindáveis possibilidades...
    Que o preconceito e o comodismo nunca sejam barreiras para
    a construção de um olhar cada vez mais crítico.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Augusto, quando olho para trás, vejo o quanto de transformações foram produzidas na maneira como vejo a coisas hoje. Nem todos os valores recebidos têm razoabilidade que não permita questionamento. O mesmo ocorre com os conceitos impostos pela sociedade. E esse é um processo constante eis que tudo muda e não podemos nos acomodar. Um primoroso texto. Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Olá Augusto,

    Um texto que nos traz para uma grande reflexao, " O cotidiano nos acomoda e nos aprisiona"...........Triste realidade....


    Nosso trato está firme como a rocha, na próxima semana entrarei em contato com algumas editoras.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Augusto:
    Estranho é a falta de pensamento crítico, do pensar por conta própria, da preguiça mental que está instalada no mundo atualmente.
    Tudo já vem pronto pra consumo, depois é descartado e em seguida surgem novidades...
    E assim, seguimos.
    Sem ideais ou idéias que possam realmente nos tirar da zona de conforto e causar o estranhamento necessário para fazer a diferença...
    Bom final de semana!
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  12. Querido amigo Augusto
    ​Depois de três meses ausente estou tentando entre um intervalo e outro colocar
    em dia as visitinhas aos blogs amigos como antes fazia
    com imenso carinho e prazer...Aqui estou também para agradecer
    seu carinho e suas orações nesse momento difícil que estou atravessando...
    Ainda continuarei ausente por tempo indeterminado porque assim se faz
    necessário, ​fazendo quimioterapia​ minha mãe ainda e mais que nunca requer meus cuidados
    diários não me deixando tempo disponível para a blogosfera...
    Em breve se Deus quiser estarei de volta interagindo e trocando carinhos com todos
    ​Desejo dias felizes e de muita paz pra você!​
    Deixo beijos com muito carinho.
    Marilene

    ResponderExcluir
  13. - Parabens ameei seu texto, continue com esses teu dom, beijos e que venham proximos .. :33'
    - Eduarda, 1B, N° 6

    ResponderExcluir
  14. maravilhoso texto professor,disse muito sobre como nossa personalidade pode mudar e que podemos destruir o racismo e até aceitar novos conceitos,Parabens Professor augusto, Raphael 1ºC nº31

    ResponderExcluir
  15. É sempre muito bom sair do senso comum, isso faz a gente ver a realidade, questionar as coisas sempre leva a algum lugar pode ser bom pode ser ruim mas e melhor saber do que apenas fingir que não vê a verdade.
    Alex 1, 1b

    ResponderExcluir
  16. O ser humano hoje já nasce praticamente alienado,tal alienação que já vem de berço. O pai e a mãe da criança demoram ou muitas das vezes não ensinam a criança a ter a sua própria opinião, a se questionar sobre as coisas.

    Eric Padula Lopes dos Santos Nº06 / 3ºF

    ResponderExcluir
  17. Saudações professor Augusto,realmente se queremos ter um olhar de estranhamento,devemos agrupar informações pre definidas pela sociedade desde o início dos tempos,retirando de nós o medo de julgar e questionar,pois só assim chegamos a um resultado concreto,é preciso ser forte para dizer "Sou diferente de você" e que minha forma de pensar se torna diferente de outrem pois não tive medo de mudar,o ideal mata,por isso procuro sempre buscar o entendimento profundo em todo assunto que me cerca,busco compreender vários pontos de vistas diferentes,me coloco no lugar das pessoas,penso o porque ela pensa isso,e penso o que elas jamais pensariam,o preconceito,a ignorancia só existem em mentes pequenas e de pouco conhecimento,quando todos pensam iguais ninguém está pensando. Gabriel Rodrigo 3°TA

    ResponderExcluir
  18. É um trabalho demorado, mas recompensador, uma vez que possibilita, dentre outras coisas, derrubar preconceitos e dogmas nocivos.

    Alisson 3°G n°02

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.