sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Paititi

Na espera que a Paititi me leve
pela Peabiru ainda transitada,
quero, antes dessa madrugada
receber o beijo que me enleve.

Que essa viagem não seja breve
e que não seja dura a estrada,
porque a partida desejada
de sonhada se fez leve.

Ah! Paititi, que jaz sob a neve
ou sob a floresta encantada,
quero, onde o luar não se atreve,

habitar-te com minha amada,
no lugar pleno que deve
ser minha última morada.




16 comentários:

  1. Oi Augusto :)
    Estava com saudade de ler um poema seu.
    Este por sinal é muito bonito.
    Não sei se 'Paititi' se refere aquela lendária cidade do Peru
    que dizem que ficou perdida no meio das selvas...
    Bom fim de semana.
    Bjs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Clau! É verdade! Segundo a lenda, a cidade de Paititi ficava na floresta entre o Peru e o Brasil (uns até dizem que ficava na Amazônia brasileira e outros, na cordilheira, coberta por uma geleira - daí não ter sido encontrada). Uma parte da nobreza inca fugiu quando da invasão espanhola no século VI e nunca foi encontrada. Diziam que tina ido para Paititi.

      Excluir
  2. Augusto, que linda inspiração meu amigo, eu adoro lendas, mitologias, aprendo pela curiosidade, leio muito, pelo menos viajo nos sonhos da literatura, aqui leio com prazer, amei!
    Paititi, cidade lendária, Peru, com neve, quanto a Peabiru, me fez lembrar de minhas férias anuais, no Paraná, ia sempre com meus filhos pequenos, na casa dos meus tios, Campo Mourão, perto de Peabiru, uma cidade, adoro os nomes indígenas das cidades, amei ler aqui meu amigo professor!
    Adoro quando me visitas também, me incentivas, não me deixas desistir de explorar minha mente, pois é isso que me faz exercitar para não deixar nunca de pensar!
    Abraços e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ivone! Conheci um trecho (pouco preservado - uma pena!) na região de Iguape e de Cananéia, e outro, na Barra do Ribeira, junto aos Igaparas, tribo aparentada com os Araucanos, do Chile.

      Excluir
  3. Un poema creado con mucho inteligencia... me costó traducir pero al final terminé de comprender el poema.
    Te deseo un hermoso fin de semana, besos!

    http://sombriabelleza.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Belo poema professor!
    Vim lhe agradecer as palavras.
    "
    "E é por isso que o homem verdadeiro, o humano, o elevado, o desejável para que haja evolução da humanidade, citado por você, está em falta ou talvez por aí se extinguindo. Tristes trópicos!"
    É verídicas as suas palavras. Gostei do seu posicionamento.
    Um excelente final de semana a você.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Que essa viagem não seja breve
    e que não seja dura a estrada,
    porque a partida desejada
    de sonhada se fez leve.

    Quem não quer viver isso? Eu quero e almejo esse momento, lindo!

    Seu comentário tão rico em meu blog me deixou a refletir. Tremendo o que me chamou a atenção sobre um mero troféu, como a frase: EU VENCI, pra satisfazer um ego...obrigada preciso realmente pensar sobre isso...bjos.

    ResponderExcluir
  6. Oi Augusto,

    Um belo poema, cheio de magia e leveza...

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá, Augusto!

    Que "coisas" lindas e repletas de História, você vai buscar, para fazer nossa mente pensar e até ir pesquisar.

    Conheço mal essa lenda, referente à cidade de Paititi, mas estive lendo, agora, na Wikipédia, e há pelos menos duas versões, completamente, antagónicas.

    Seu poema, para além de reunir a componente histórica, revela, também, o desejo de ir com sua amada para Paititi,, sua última morada.

    A lenda e o amor, sempre andaram de mão dada. Adoro sua capacidade versátil de escrever.

    Agradeço seu engraçadíssimo comentário, e trouxe oxigénio para você, para quando estiver com falta de ar, arfando, em situações semelhantes às que descrevi no poema, e que já viveu, o possa utilizar, ou então, respiração boca a boca, acompanhada de massagem cardíaca. EXCELENTE!

    Boa semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Oi Augusto! Se o coração tem paz, todas as moradas são de alegria. Abraço!!

    ResponderExcluir
  9. Olá Augusro:
    Vim retribuir suas gentis visitas no meu blog.
    Eu tô muito bem, obrigada por perguntar (rsrsrs).
    E que bom termos gostos musicais semelhantes.
    Quanto ao seu post, viajar é sempre um prazer.
    Descobrir lugares desconhecidos e se encantar com a cultura de um povo, é sempre adquirir novos conhecimentos.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  10. Oi Augusto que linda viagem você deixou que fizéssemos,
    chegando as fronteiras do Peru e Brasil.
    Adorei.
    Obrigada da visita e um ótimo final de semana.
    bjs
    Carmen Lúcia-mamymilu.

    ResponderExcluir
  11. Lendo aqui me deu mais vontade de viajar
    Deve ser um encanto o lugar mesmo mesmo que seja
    só lenda....mas poema ficou muito bonito
    Acho que somos de família mesmo de poetas mesmo
    escondidos aqui no nosso canto temos nossa hora de poetar

    Bom final de semana bjão

    _________Rita...⊰•✿.•°•.•✿⊰

    ResponderExcluir
  12. Uauuuu que lindooooo eita que me emocionou viu....bjusssss

    ResponderExcluir
  13. Olá Augusto,

    Um lindo soneto, que me levou a pesquisar sobre a lendária Paititi, trazendo-me acréscimos.
    Gostei muito. Parabéns!

    Abraço e obrigada pelo carinho da visita na minha ausência.

    ResponderExcluir
  14. Lindo poema, por alguns instantes nos faz flutuar, para os nossos lugares que sonhamos.

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.