sábado, 22 de fevereiro de 2014

Niilismo

O termo nihil é de origem latina e significa nada. É aquilo que se opõe não apenas ao mundo real, captável em parte pelos nossos sentidos, mas ao mundo artificial dos humanos: a sociedade. Ele se instala quando as verdades calcificadas deixam perceber seus pontos fracos e entra por estas brechas sacudindo-as radicalmente e questionando seus dogmas. A ausência de respostas se dá quando os valores tradicionais não mais satisfazem e a desesperança se instaura nas mais variadas formas de manifestação humana: arte, literatura, ciências humanas, movimentos teóricos, éticos e morais.
O desmascaramento das instituições sempre revela facetas de não-verdades camufladas e que serviram de modelo de comportamento social. Um dia, estas se dissolvem ante as perguntas pertinentes e não mais se sustentam. E como não há nada para substituí-las, porque as sugestões são inviáveis, o nada as sobrepõe e o pior é que ele não convence e nem consola. Surgem como conseqüência a angústia, o tédio e o desprezo.
A possibilidade de a humanidade avançar e evoluir é truncada quando nada mais se espera das instituições antes tidas como modelos universais, como o Estado, a Igreja, a Família, a Escola etc. Os representantes eleitos pelo povo não mais os representa, senão seus próprios apaniguados. O Deus eterno e universal, é sabido, não move nem mais uma palha por suas criaturas. A família se molda como quiser ou puder, sem algum laço antes indissolúvel. A escola é apenas um lugar onde os pais omissos e irresponsáveis despejam seus filhos para que possam trabalhar despreocupadamente. As outras instituições estão neste mesmo caminho. Se não há governo, então vamos quebrar tudo. Se Deus está morto ou distante, então tudo é permitido. Se a família não mais ampara, então a barbárie. Se a escola não me ensina, a rua é muito mais atrativa.
Os valores destruídos de modo iconoclasta darão lugar a novos valores? Jogar no lixo séculos de aprendizado trará algum sentido para esta vida vã? A criação de novos valores dará sentido à esperança de viver numa outra dimensão? Crer numa vida além-morte satisfaz plenamente ou se trata de mentir a si mesmo e sublimar sua incerteza e angústia? São questões deste tipo que os insatisfeitos, e eles são muitos, fazem e não encontram resposta condizente. Viver, então, torna-se um absurdo. É mais cômodo ser alienado em tudo; porque viver assim não gera alguma responsabilidade.
O distanciamento cada vez maior entre o mundo artificial humano e o mundo natural em nada se detém com a gritaria dos avisadores do caos. Eles são poucos e não possuem capital. Que se lixem, então! O desenvolvimento tecnológico, que poderia facilitar o convívio social e permitir maior tempo livre para se dedicar ao próximo, à família, à comunidade, só fez distanciar as pessoas, perdidas numa virtualidade egoísta e fútil. O desenvolvimento de técnicas de produção de alimentos não impediu de muitos ainda passar fome. Os avanços arquitetônicos não deram teto a todos. O progresso econômico desigualou mais as populações e a exploração escravocrata é uma realidade. As armas não impediram as guerras, pois geram divisas. Os exemplos se tornam milhares.
Recomeçar sem projeto é um salto no escuro, mas viver o nada e para nada é o vazio, é não existir. Solicitar que cada um encontre seu rumo e dê sentido à sua própria vida é espalhar ainda mais o deserto, a solidão. Aqueles que descobrem formas sadias de viver e acontecer de forma brilhante escondem seus segredos. Mas eles são também poucos e ainda sofrem as conseqüências dos maus atos alheios.
Eu não tenho receitas prontas, só algumas que valem para mim. Sofro e engano minha angústia e ainda espero do Governo, de Deus, da Família, da Educação.... Sei que não estou sozinho numa empreitada vazia. Dizem que a ordem cósmica surgiu do nada. Mas será que para se antepor ao nada e se estabelecer uma nova ordem deve ser aberta de vez a caixa de Pandora e fazer uso do único sentimento que lá restou? A esperança?



19 comentários:

  1. Aos possíveis leitores deste texto, saliento que não sou infeliz, pois amo meus bons amigos e minha família. Sou muito sensível à realidade que me cerca e um pouco angustiado sim. Distante daquilo que sempre almejei para a humanidade , mas sei que muitos pensam como eu e que os ecos dos meus gritos não se perdem num infinito deserto. Agradeço, de antemão, todos os comentários.

    ResponderExcluir
  2. Olá meu querido amigo
    São as pessoas de grande sensibilidade como você que nos faz acreditar que as coisas vão mudar e para melhor é claro. O imediatismo, a falta de valores morais, sociais e afetivos serão resgatados das profundezas do inconsciente para onde foram removidos sem a menor cerimônia. A angústia nos envolve ao ver o caos que assola a humanidade. Que a fé e a esperança sejam nossas companheiras e que nosso grito não se perca como um eco.
    Desejo que o seu domingo seja pleno de lindas surpresas e muitas alegrias. Que a fé e esperança nunca lhe abandone e que os seus caminhos sejam coroados de êxitos. Nunca se esqueça que Deus te ouve mesmo nas horas que o teu silêncio fala mais alto que sua voz. Tudo de bom pra você!
    Beijos no coração e afagos na alma.
    Gracita

    ResponderExcluir
  3. Textos como los tuyos pueden cambien una realidad actual de nuestra sociedad, porque es un voz que se expresa con cierta desilusión... la misma que muchos llevamos.
    Gracias por compartir una entrada tan sensible e interesante.
    Buen fin de semana, un beso.

    http://sombriabelleza.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Augusto:
    No meio do caos, sua voz surge como um alento para o meu nada....
    Embora eu ainda prefira (e me fira) com o nada.
    Creio que ele - o nada - ainda é menos nefasto do que essa desordem que vivemos atualmente.
    Você foi brilhante e conseguiu transmitir com perfeição a realidade.
    Bom domingo.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  5. Olá Augusto,

    Você conseguiu transmitir nesse texto toda realidade da humanidade, acredito que sempre criaremos mundos paralelos para vivermos melhor, pois a realidade é dura e devastadora...

    Parabéns pelo texto, simplesmente perfeito!

    Abçs apertados

    ResponderExcluir
  6. Olá Augusto, boa tarde!
    Não são poucas as pessoas que tem uma concepção niilista e
    não veem sentido, valor ou finalidade em nada.
    Talvez sintam um vazio na existência.
    Acho essa corrente filosófica meio depressiva.
    Sei lá, o mundo é um caos, a situação está cada vez mais precária (na verdade sempre esteve), a desesperança muitas vezes se instala, mas ser pessimista ou ceticista, não resolve nenhum problema.
    Acho sempre válido enxergar uma possibilidade de sentido, de significação na existência humana,( aliás não acho a existência humana desprovida de sentido). Ter esperança também pode ajudar...
    Só sei que não me apetece agarrar-se a algo que tem rejeição daquilo que requer fé.
    Uma ótima semana pra vc \o/
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Comparto o mesmo pensamento...

    Beijo de esperança.

    ResponderExcluir
  8. Olá Augusto, boa noite! Ficamos sim indignados com tudo que vemos, e sentimos por vezes a desesperança querer se instalar, mas ainda acredito que o amor, a comunhão com Deus, a fé, a esperança e muito trabalho pode mudar tudo isso...Vamos acreditar e lutar por um mundo melhor, onde cada um pegue a sua obrigação, o seu dever e cumpra como deve ser, tanto na família, como no governo e na educação...
    Deus é Pai, amigo e irmão daquele que acredita e tem fé.
    Abraços e tenha uma abençoada semana.
    Marilene

    ResponderExcluir
  9. Confesso que em muitos momentos fico assim, achando que nada tem mais jeito e que estamos abandonados.
    Mas não perco minha esperança ainda tenho fé em muitas coisas.
    Parabéns um dos seus melhores posts.

    ResponderExcluir
  10. Também sonho com um mundo melhor
    muitas vezes temos a sensação que nada vai ter
    jeito ai vem a vitória para muitos, tenho esperança
    pq o dia que ela acabar acho que não estarei mais viva
    Um belo texto

    Bjusss
    de boa tarde

    ___________Rita!!!
    http://cantinhovirtualdarita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, Augusto!

    Consideras este teu texto filosófico. Só?
    Sabes, que o li e reli, porque a isso, o teu talento me obrigou, mas, eu o acho, essencialmente, SOCIAL. Fizeste-me lembrar Montesquieu ou Rousseau.

    Partiste do NADA, explicando a sua etimologia, mas, depois, não te perdeste, não, mas tocaste "todos os instrumentos".

    FAMÍLIA, ESCOLA, SOCIEDADE, GOVERNO E DEUS são os pilares, a que jogaste mão para explicar toda essa barafunda, em que o mundo se encontra, mas Deus vai ter, e tu és católico, tal como eu, assim o julgo, embora, não sejamos praticantes, e acreditas, que esta situação não pode continuar, por muito mais tempo, só que um dia para Deus, são mais ou menos mil anos, para nós.

    Repara nas alterações climatéricas no mundo todo, antes nunca vistas. Repara no tipo de guerras, que os países estabelecem uns com os outros e nas catástrofes naturais, que sucedem, constantemente.

    Isto é, APENAS , o início das "dores", biblicamente, "falando".

    Nem tu, nem nenhum humano tem resposta para tal situação, mas Deus tem.

    O teu texto está racionalmente soberbo e muito bem escrito. Puseste-me a pensar em Pandora e em Eva.

    Também sou feliz e tenho minha família, embora pequena, mas nós desconhecemos o amanhã, e aí reside a resposta.

    Bom feriado e diverte-te, caso curtas carnaval. Eu estou de férias, três dias.

    Um beijo, com muita amizade.

    A flor é para teus leitores e comentadores/as? Então, já peguei uma pétala.

    PS: há nova publicação no "Luzes e Luares". Passa lá, quando pretenderes. Vais ter fôlego, desta vez, porque o texto é pequeno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luz! Há muito tempo deixei de ser católico e idólatra!

      Excluir
  12. Olá Augusto.
    Se lermos a realidade com ceticismo, daremos força ao caos, ao nada, à desordem.
    Quem vivencia seus princípios parece fora de órbita, sentindo-se em um mundo irreal, desconectados dos demais.
    Às vezes até a esperança de dias melhores se torna irreal.
    Mas acreditamos que o amor, a fé, a harmonia, o bom viver ainda é uma prática possível.
    Se os bons esmorecerem nesta batalha aí sim poderemos dizer que até a esperança tirou uma folga.
    Agradeço as palavras de carinho em sua visita ao meu blog.
    Procuro trabalhar de forma diferenciada com meus alunos, do livro didático á reciclagem, e tenho conquistado bons resultados. Ainda conservo o desejo de deixar algo novo, bom para minhas crianças, apesar de me sentir muito cansada com toda essa realidade negativa, desmotivadora.
    Um grande abraço.
    Que os bons não percam a esperança.
    Volte sempre.
    Valdete Cantú

    ResponderExcluir
  13. Olá,Augusto
    Comigo, tudo na paz!
    Parabéns!
    ...a desilusão crescente em relação ao mundo que nos rodeia, nasce e desenvolve-se à medida que o conhecimento nos invade , pois a percepção em relação ao mundo torna-se cada vez mais clara e vasta, o que nos faz compreender aquilo que não compreendiamos...daí viver, então, torna-se um absurdo. É mais cômodo ser alienado em tudo...
    Penso até que esperança é o que deveria sobrar depois de que todas as ações de melhoria fossem tomadas...mas com a "falência" das instituições antes tidas como modelos universais,Governo, Deus, Família, Educação... os efeitos da esperança, entre aspas, isolada...vagamente feliz, olhando ao longe, sofrendo e enganando a angústia e esperando que o mundo em sua permanente renovação cíclica , criação e destruição, estabeleça uma nova ordem, renovada e fortalecida...,
    Obrigado pelo carinho,bom domingo e feriado de carnaval, abraços!

    ResponderExcluir
  14. Eu já conhecia o termo nihil, usávamos para dizer que nada encontramos no local da ocorrência. E hoje vemos que quase nihil o governo faz por nós. Mas você mesmo disse "que nossa indignação é pertinente e infelizmente, inócua". Triste né, mesmo assim vou continuar gritando.

    Abraço

    ResponderExcluir
  15. OI AUGUSTO!
    TEU TEXTO É VEEMENTE E TENHO PLENA CONVICÇÃO DE QUE É O ECO,DO QUE A GRANDE MAIORIA, DOS BEM INTENCIONADOS, É CLARO, GOSTARIAM DE DIZER. PESSOAS ATÔNITAS, DEBATENDO-SE ENTRE OS DOGMAS QUE SEMPRE LHES NORTEARAM A VIDA E ESTA NOVA FORMA DE VIVER, ONDE IMPERA O CAOS E A FALTA DE HUMANIDADE E DE COMPROMETIMENTO ENTRE AS PESSOAS.
    UM MOMENTO DE DESILUSÃO E DESCRENÇA, TOMARA QUE SEJA POSSÍVEL UMA RETOMADA DE VALORES .
    DEIXO AQUI MEUS AGRADECIMENTOS POR TUA IDA AO "SÓ PRA DIZER", DEIXANDO LÁ, SEMPRE, PALAVRAS MOTIVADORAS E AMIGAS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Augusto:
    Voltei com um convite.
    Assumi o projeto Uma imagem - 140 caracteres e estou aguardando você por lá, ok.
    Veja como funciona nesse link:
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2014/03/novidades.html
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  17. Augusto, que grande escritor vc é! Parabéns por seu excelente texto que toca direto na ferida e nos faz refletir. Infelizmente a angustia que o homem chegou beira a loucura e a deseperança, mas eu sou uma eterna Polyanna e ainda creio que iremos reverter tudo isso com nossas atitudes, educação das novas gerações e orações...por que não? Mesmo crendo em vida após a morte, creio tb na lei de causa e efeito e cuidar desse planeta e suas pessoas o melhor possivel é uma meta de meu coração. Bjs e ótima semana!

    ResponderExcluir
  18. Que beleza ,Augusto! Temos que como tu ,saber ve o que nos rodeia, o que gostamos ou não ,e a esperança de dias melhores...

    Vim lá da Anne e adorei! abraços,chica

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.