sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

O sucesso não se mede pelo meio

No ano de 2.006, lecionava em uma escola com a fama de ser bem rigorosa com seus alunos. De fato, a indisciplina lá não era tolerada e muitos alunos eram ‘convidados’ a buscarem vagas em outras porque não se adequavam às normas estatutárias exigidas.
Um aluno do segundo ano do Ensino Médio era o terror dos professores. Não porque aprontasse ou os desrespeitasse, mas porque nunca copiava nada, não fazia as lições, vivia fora da sala (pedia para ir ao banheiro e não vinha mais para a aula), não participava dos grupos de pesquisa e faltava muito. Como era meu aluno pela primeira vez, eu não o via como os outros professores o viam. Pensava comigo que aquele desinteresse fosse apenas gritos de socorro. Então dirigia meus questionamentos sobre a matéria (filosofia) para os alunos do fundo da sala e muitas vezes obtinha respostas mais interessantes e controvertidas, o que fazia os conteúdos serem mais bem assimilados.
Quando comecei a desenvolver um conteúdo sobre profissões técnicas e acadêmicas, com orientações profissionais, pesquisas sobre os cursos pretendidos, métodos e técnicas de pesquisa e outros, percebi que aquele aluno, de nome Renan, mostrou algum interesse por um curso técnico da Embraer. Eu o instiguei que deveria fazer também um curso de inglês. Ao final do ano, Renan já falava aquela língua fluentemente.
No ano seguinte, apesar de não ser mais meu aluno, ele sempre me procurava para relatar seu crescimento. Dizia, todo orgulhoso, que era monitor da turma, que o professor o deixava ensinando os outros colegas, que já sabia até a matéria do terceiro ano e que já estava sendo sondado para estágio na Embraer, mesmo estando no segundo ano (somente os alunos do terceiro faziam o estágio). Então eu o orientei a fazer um curso de francês e, ante seu espanto, lhe expliquei que a Embraer, apesar de ser concorrente da Bombardier (empresa canadense de aviões), trocava estágios entre seus engenheiros e que muitas vezes até participavam juntas de licitações em muitos países.
O ano acabou e não o vi mais. Mas, no final de janeiro do ano seguinte, encontrei-o todo feliz no centro da cidade. Ele me abraçou como se abraça um amigo e me agradeceu por todas as orientações que recebera. Por fim, com lágrimas nos olhos, me disse que estava de viagem marcada para o Canadá, pois conhecera alguns engenheiros de lá e fora convidado para trabalhar na Bombardier. Fiquei tão emocionado que também não pude conter algumas lágrimas. Aquele garoto, agora já quase homem, o terror que todos queriam ver pelas costas estava ali, em minha frente, construindo um destino invejável.
Encontro muitos ex-alunos de sua turma e, apesar de a maioria ser de bons alunos, verifico após uma conversa que poucos deram continuidade aos estudos, tornaram-se caixas de mercado, vendedores, balconistas, ajudantes disso ou daquilo, abandonaram a faculdade para se casarem, não se projetaram e acabaram tendo uma vida comum. Como a da maioria.

Sei que aquela escola continua a mesma e que meus colegas de trabalho continuam satisfeitos com o que fazem, sempre perseguindo alguns terrores e pouco se dando em conhecer suas histórias e perceber seus gritos. Sei também que aquele abraço me impregnou para sempre e ainda me inspira a observar os nenúfares.

Claude Monet - Nenúfares 



19 comentários:

  1. Que lindo texto, fiquei emocionada, também tenho essa coisa de observar pessoas e perceber o quanto elas têm de bom e o quanto podem desenvolver o seu potencial, meu filho foi um deles, ele estudava quase nada, me deixava meio maluca no início, pois a sua primeira escola fora paroquial, (ele detestava essa escola), enquanto eu não o mudei de escola já quase adolescente e o coloquei em uma escola pública, pois é, a vida tem disso, nada mudava, mas hoje ele é um homem bem sucedido na vida, passou em primeiro lugar em um concurso público, é alto funcionário da Petrobrás!
    Que lindo é isso de você ter essa linda vocação em ensinar, pois ensinar é uma linda missão, as escolas nem contam quando se trata de ter bons professores, meus parabéns, sempre sei os bons amigos que tenho, você é um deles!
    Abraços apertados meu amigo especialmente querido!

    ResponderExcluir
  2. Mostrou -se uma boa gestão. Como diria na igreja, fez discípulos e não membros. Em resumo, vc fez a diferença. Faço gestão e sei o quanto é importante essa sua forma de agir.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, amigo, fiquei sem net por meses, faz quinze dias que novamente a tenho, estou devagar colocando em ordem as minhas visitas às casinhas dos amigos. Emocionou-me o teu relato, às vezes uma palavra, faz toda diferença, e você fez, soube dar atenção, soube ouvir o grito silencioso e com isto mudou toda uma vida, quisera que os mestres se tornassem realmente mestres como você o fez, abraços Luconi

    ResponderExcluir
  4. Oi Augusto! Meus parabéns pela sensibilidade de perceber o que fez a diferença na vida do seu aluno. Feliz Ano novo! Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Que maravilha Augusto, se todos os
    professores pudesse fazer isso, estudar
    bem o que o aluno passa, e orientar, acho
    que teríamos melhores pessoas nesse mundo, mas
    gostei de saber que esse seguiu pelo caminho do sonho
    Deixo um abraço com meu carinho de sempre

    ________Bjusss Rita!!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Augusto! Fiquei encantada com seu relato e a forma como tratou esse aluno considerado problemático. Imagino o orgulho que deve ter sentido! Fico pensando em quantos meninos e meninas são marginalizados simplesmente porque não receberam a devida atenção, seja dos pais, professores ou líderes espirituais... quantos se perdem por aí, não é? Por isso é sempre bom ler relatos desse tipo. Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Olá Augusto,

    Você teve motivos para se emocionar com o sucesso desse seu aluno, pois provavelmente ele chegou onde chegou graças à sua motivação e seu tato como profissional competente, sensível e perspicaz. Isto é muito gratificante.
    Também já lidei com aluno 'dito' problemático e acabei transformando-o em líder da turma. Ou seja, ganhei um braço importante numa turma considerada a pior da escola. Bons profissionais do ensino sempre colhem frutos inesquecíveis.

    Então você estava finalizando um livro! Parabéns, pois estará deixando uma marca importante de sua passagem pela vida. Tenho certeza de que será um sucesso. Vou ficar na torcida. Avise quando lançar.

    Que 2014 seja um ano importante em sua vida, com muito sucesso e motivos para celebrar.

    Ótimo final de semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Emocionante relato, ser professor é isso, gratificação... saber que vc ajudou alguém que talvez ninguém mais desse valor algum... parabéns!

    Amigo, te desejo um ano novo cheio de vitórias e sonhos realizados. Que nosso bom Deus te abençoe e a tua família... tudo de bom!
    Bjinhos

    Cris

    ResponderExcluir
  9. Augusto, é muito gratificante reencontrar alunos e ver que se deram bem na vida,não é? Pena pelos outros que oportunidades não tiveram e/ou não as souberam aproveitar! abração e que bom que terás teu livro em breve! Bom trabalho! abraços,chica

    ResponderExcluir
  10. Olá, Augusto!

    Tudo bem?

    Não li seu texto, mas estou passando, em seu blogue, para a gradecer suas gentis e consoladoras palavras.

    Boa semana.

    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
  11. Como é bom ler relatos da natureza! O professor tem que ver além do que é visível a todos e procurar a razão de certos comportamentos. Atrás de cada aluno há uma história de vida diferente e não são todos que se estimulam sem um empurrãozinho. Você foi , de certa forma, o anjo da guarda dele e, certamente, nunca o esquecerá. Que possa manter essa sensibilidade em seu exercício profissional, eis que proporcionará a muitos, mais que conhecimentos, uma orientação magnífica.
    Desejo-lhe um grande ano, em todos os sentidos. Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Olá Augusto,

    Realmente, uns nascem para brilhar, outros levemente cintilam....

    Um texto emocionante!

    Abçs

    ResponderExcluir
  13. Guto lendo seu texto só reafirma dentro de mim coisas que mestres me ensinaram, jamais esquecerei minhas professoras em vários momentos foram mãe, irmãs e amigas fieis. Outros tempos sem duvida, fico feliz que o Renan tenha prestado atenção aos seus conselhos e por mérito dele tenha alcançado um emprego tão bom. Tens razão algumas pessoas gritam por ajudam pena que poucos conseguem ter a percepção e ouvir.

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde meu saudoso amigo Augusto.. super tocante o relato que aqui deixaste.. todos temos uma estrela em nós e as vezes alguns querem tirar o nosso brilho nos mantendo apagados ou como tu fez.. deu umas lapidadas e a estrela brilhou.. nca fui o terror da escola, e confesso que nunca gostei de estudar.. vivia pulando a janela e indo comer empadas na padaria.. mas foi graças a um trabalho que fiz sobre marilia de dirceu onde a professora de literatura me elogiou que tempos depois vim a fazer meu primeiro verso.. fiquei tão feliz e sabia que podia fazer mais.. meu primeiro verso saiu com exatos 18 anos trabalhando numa metalurgica e indo ao banheiro para não esquecer o que tinha pensado.. hj com 29 anos... sou o poeta que sou.. feliz pelo muito que já criei, atingi o numero de 1000 sonetos e mais 700 poesias normais.. e a vida vai me levar adiante.. vcs professores sabem ver a nossa estrela.. seu ex aluno já tinha isso nele.. esta onde muitos sequer vão chegar.. assim como eu.. não quis cursar uma faculdade mas sou o poeta que estava dentro de mim.. um grande abraço e um excelente ano amigo

    ResponderExcluir
  15. Olá, Augusto!

    Tudo bem?

    Li teu texto, e que bem me soube! Já tive alguns casos semelhantes, e todos relacionados com garotas, e nunca com meninas.

    De facto, a nossa função, para além de ensinar, é entender o comportamento fora do "normal", do aluno "x" ou "y", mas, por vezes, não temos tempo para dar a matéria, gerir a nossa própria vida e ainda "entrar no coração" desses alunos.

    O Renan, agora quase um homem, encontrou seu rumo, e que rumo, graças à sua atuação .
    ISSO É DE PROFESSOR. PARABÉNS!

    Um beijo da Luz.

    ResponderExcluir
  16. Retificando: GAROTOS e não garotas.

    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  17. O que você relata, Augusto, fez-me relembrar de "casos" semelhantes que presenciei nas escolas em que trabalhei. Precisa-se tornar a sala de aula mais atraente e um maior conhecimento da psicologia do jovem, por parte dos professores.....Ah! se todos os mestres fossem iguais a você, a Pátria amada estaria salva! Parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Oi Augusto,
    Saudade de passar por aqui!
    Olha, achei linda a imagem, uma das mais expressivas obras de Claude Monet.
    Achei o relato emocionante...
    Que bom que ele teve um olhar atento e observador, que o incentivou. Muitas vezes uma pessoa só precisa de alguém que a instrua, oriente e lhe mostre um sentido.
    A grandeza do educador, está no modo simples de interagir e transmitir a possibilidade de levantar voo.
    Ser professor é participar e acreditar nos sonhos de seus alunos, vc certamente cumpre essa missão muito bem.
    Abraços \o/

    ResponderExcluir
  19. - Parabens, continue sempre assim, bjs e tudo de bom --*' <3'
    - Eduarda, 1B, N° 6

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.