sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Medeia

Medeia era filha do Eetes, rei de Cólquida, uma região da Grécia Antiga. Sobrinha da famosa feiticeira Circe, com quem passara parte de sua adolescência e aprendera a fazer sortilégios e encantos mágicos. Quando se tornou jovem, era cortejada por muitos pretendentes devido à sua inteligência, astúcia na arte da retórica e pela beleza admirável.
Então, vindo do reino de Iolcos, chega Jasão reivindicando seu prêmio, um velocino de ouro, por ter realizado um feito grandioso em sua terra. Não querendo contrariar os deuses, Eetes promete-lhe entregar o velocino desde que cumprisse algumas tarefas: teria de lavrar um campo com dois touros indomados e depois semear no campo lavrado os dentes de um dragão. Esta tarefa era difícil, mas Hera, protetora de Jasão, convence Afrodite a fazer com que Medeia se apaixone pelo herói. Como Eetes esperava que o herói morresse no campo a ser lavrado, Medeia, adivinhando as intenções do pai, passa a ajudar seu amado, combinando com ele ser sua esposa.
Primeiro lhe oferece um unguento para conseguir domar os touros e arar o campo. Depois o adverte que dos dentes semeados nasceriam soldados imbatíveis e que deveria rolar uma grande pedra entre eles, para que ficassem confusos e matassem uns aos outros numa discussão sobre quem atirara a pedra. Assim, Jasão, executando facilmente as tarefas, voltou a reclamar o velo a si. Eetes fica furioso e tenta incendiar o barco de Jasão, mas Medeia prepara uma poção poderosa que fez o dragão que guardava o velo adormecer. Então, o herói pega seu prêmio e foge com a amada em direção à sua terra.
Na fuga, Medeia leva consigo seu irmão Apsirto e sabendo que seu pai não tardaria a vir em seu encalço, manda matá-lo e esquartejá-lo, jogando os pedaços do seu corpo no mar. Isso atrasaria o intento de seu pai, pois ele recolheria os restos de seu filho para lhe dar um enterro decente. Sabendo do crime, Zeus fica furioso, desvia a nau da rota e a orienta para a ilha onde habitava Circe, pois deveriam ser purificados em um ritual. Circe os purifica, mas se recusa a manter Jasão em sua ilha.
Ambos se dirigem à Iolco e lá têm de enfrentar Pélias, o rei tirano que havia enviado Jasão à Cólquida reclamar seu prêmio e esperava que ele falhasse. De novo, Medeia, não titubeando em ajudar seu amado, engendra um plano absurdo: torna-se amiga das filhas do rei e diz-lhes que é capaz de rejuvenescer quem ela quisesse. Então, mata e esquarteja um velho carneiro e coloca suas parte num grande caldeirão, onde fervia uma poção. Em seguida, retira-o do caldeirão vivo e rejuvenescido. As filhas do rei, vendo essa proeza, correm a esquartejar o velho pai e a lançar os seus pedaços dentro do caldeirão. Claro que ele não saiu de lá com vida e o incidente fez com que o casal tivesse de fugir às pressas para Corinto.
A paz de Medeia não durou muito lá, pois o rei Creonte, com base em intrigas, convence Jasão a abandonar a esposa e casar-se com sua filha Creúsa, além de obter muitos privilégios na corte. Inconformada com a traição de Jasão, a quem dera dois filhos e o ajudara a se livrar várias vezes da morte, trama ardilosamente sua vingança: faz chegar às mãos de Creúsa um lindo vestido de noiva e algumas jóias. Assim que a princesa veste o presente, seu corpo se incendeia. O rei, aterrorizado e vendo sua filha consumir-se em chamas, tenta salvá-la e se incendeia também, morrendo carbonizado.
Medeia teve de abandonar a cidade e, na fuga, não teve tempo de levar seus filhos, que acabaram sendo apedrejados até a morte pela família de Creonte, ante os olhos insensíveis do pai. Mesmo assim, foi acusada de infanticídio, por um ato de fria e premeditada vingança em relação ao marido infiel.
Retornando a Cólquida, Medeia conhece Medo, com quem se une e passa a viver mais tranquila. Mas ficam sabendo que seu pai, o rei Eetes havia sido deposto por seu tio Perses. Medo mata o rei usurpador e estende o território do reino, que passou a se chamar Média. E foi lá que Medeia viveu o resto de seus dias, tranquila, mas sem nunca esquecer o volúvel Jasão.



Sendo uma das mais belas tragédias gregas, Medeia rendeu muita discussão no campo da psicologia. Influenciou a escultura e a pintura, tanto do Renascimento quanto de movimentos posteriores. A versão de Eurípedes, escritor e teatrólogo grego, possibilitou inúmeras versões e adaptações no teatro, no cinema e na literatura, principalmente a parte de sua história onde é abandonada por Jasão e tem de deixar os filhos à própria sorte. A tragédia retrata drama do amor incondicional de Medeia pelo herói sem caráter Jasão.

24 comentários:

  1. Adoro mitologia... ótimo ler esse texto. Quase inacreditável a traição de Jasão depois de tudo que Medeia fez por ele.

    ResponderExcluir
  2. Caramba!!
    Que complicado amor e quanta tragédia levou consigo.
    Olha já havia lido algumas tragédias, mas essa, triste.
    Sabemos que de repente naa disso tenha acontecido, mas muita crueldade em prol de um amor, não é mesmo?
    bjs
    Excelente final de semana
    Ritinha

    ResponderExcluir
  3. Amigo Augusto, amei o texto, mesmo porque tudo o que diz respeito a mitologia eu curto, li um livro que me deixou fascinada, fala sobre mitologia grega de uma forma romanceada,A canção de Tróia de Colleen Mccullough.
    Um livro até meio difícil para ler, mas eu insisti até o fim, li e reli, até fiquei meio triste quando terminei, rs queria continuar nos encantos da leitura!
    Ah, escrevi demais por aqui, me empolgo e muito, amei seu escrito, aprendi mais um pouco, quase todas as estórias míticas são assim com dramas sem fim, Medeia, amou tanto, fez de tudo pelo herói que não a mereceu! Triste!!!
    Abraços amigo querido, sempre bem vindo lá no meu espaço!

    ResponderExcluir
  4. Oi Ivone! Esse é um resumo da tragédia. Se um dia tiver acesso ao diálogo entre Medeia e Jasão, quando ele a abandona e pouco liga para a existência dos filhos, vai se maravilhar, pois é algo fantástico, comovedor, cruel, odioso, sublime etc. A maioria das adaptações se baseia exatamente neste trecho, por ser profundo e suscitar paixões (emoções) diversas.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Oi Augusto,
    Você mais parece meu filho falando da mitologia grega.
    Eu sei alguma coisa poque eu tenho muitos livros e duas enciclopédias, mas filho estuda até derreter o cérebro: Duas faculdades,pós,
    inglês fluente e bom emprego. Quem foi que proporcionou tudo isso a ele? Eu nos meus 39 anos de trabalho.
    Eu nunca gostei muito de ir à escola, mas leio tudo que vejo pela frente.
    Obrigada pela visita
    Volte sempre
    Você é muito bem-vindo.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  6. Augusto:
    Aproveitando seu post, vim deixar resposta sobre o comentário que deixou no meu blog e que foi bastante pertinente.
    Na "história" de Medeia estão presentes as características do mito, como por exemplo = dos dentes semeados nasceriam soldados imbatíveis.
    Foi por isso mesmo que iniciei o meu post esclarecendo que as superstições (crenças, lendas, mitos) são atribuídas a fatos que por puro desconhecimento passam de geração a geração.
    A falta de conhecimento leva as crenças, mitos e lendas desde a mais remota história.
    É a famosa "sabedoria" ou crenças populares, e faz parte da nossa "cultura" e de diversos outros povos.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  7. O mundo está cheio de medeias que abandonam tudo por um amor improvavel!Não conhecia a lenda em detalhes e achei super interessante!Bjs,

    ResponderExcluir
  8. Excelente artículo, me fascina la mitología pero conozco mucho más de la egipcia...
    aunque reconozco que la griega es sumamente rica en estos aspectos.
    Una entrada preciosa Augusto, un placer leerte!
    Abrazos miles, buen fin de semana!

    ResponderExcluir
  9. Meu Deus não sabia direito de tudo isso, tbém adoro mitologia grega, e essa é de doer, o que uma pessoa não faz por amor, mas ela é bem cruelzinha heim, mas adorei ler e sabe um pouco mais, deixar os filhos já é crueldade brava
    Bom ameiiii

    Bjuss de um dia feliz

    └──●► ¸.·*´¨) ¸.·*Rita!!

    ResponderExcluir
  10. OI AUGUSTO!
    UMA BELA AULA DE HISTÓRIA.
    AS TRAGÉDIAS GREGAS, ME ENCANTAM, GOSTO MUITO DE LER SOBRE ELAS E HOJE AQUI TIVE A SORTE DE SABER BEM MAIS SOBRE ESTA QUE CONHECIA SÓ SUPERFICIALMENTE,EMBORA SAIBA QUE TEM MAIS SOBRE ELA A SER LIDO.
    brçs
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, Augusto!

    Devoro Mitologia, porque acho que os deuses e as deusas têm atitudes de gente, portanto, de humanos.

    Essa Media tem que se lhe diga. As mulheres são mesmo assim. Podem sofrer muito, mas no final, a vitória é delas, é nossa.

    Conhecia a história, até porque fiz na faculdade, Mitologia, mas já nem lembrava de tanto pormenor.

    Boa semana.

    Um abraço.

    Olha, Augusto, há novo post no "Luzes e Luares". Obrigada!

    ResponderExcluir
  12. Oi amigo Augusto.
    Gosto muito de ler sobre a mitologia grega. E esta tragédia é bastante forte causa-nos comoção no desenrolar dos fatos.
    O melhor da vida é você saber que alguém conseguiu dar um sorriso graças a sua bondade, e saber que esse sorriso fez com que a liberdade de ser feliz se aflorasse por onde quer que você tenha passado e deixado o seu sorriso repleto de carinho e afetividade.
    Tenha uma semana plena de amor e harmonia
    Estou lhe oferecendo um “selo destaque”. Será uma honra se você aceitá-lo. Pegue-o na lateral esquerda do meu blog
    Beijos e carinhos
    Gracita
    ” gracita mensagens”

    ResponderExcluir

  13. Olá, tudo joia?!
    Está lindo seu blog, já estou te seguindo...
    Segue o meu tbm, eu iria adorar!!!
    http://manyelly.blogspot.com.br/
    http://www.pinterest.com/manyelly/
    Sucesso para você!!!

    ResponderExcluir
  14. adoro as histórias da mitologia, nooooooossssa amei, tenha uma otima semana, Um abraço carinhoso

    Paty Alves
    Ágape Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
  15. Augusto,

    O que fascina nas historias antigas são estas tramas intensas e que fazem a imaginação voar.

    Sou apaixonada pelas historias mitológicas e antigas, de maneira que foi muito agradavel reler esta passagem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Tudo errado desde o começo, ela se apaixonou através de um feitiço, e o amor doentio, mostrou seu lado obscuro, primeiro ao matar ao irmão...barbaridade e outras tantas coisas que fez. Não sei se a culpo ou não, isso nos leva a reflexões profundas e o que somos capazes de fazer qdo estamos apaixonados.

    ResponderExcluir
  17. Professor, mais um aprendizado! A forma como escreve mitologia é de uma forma que faz com que entendamos de maneira simples. Mas a escrita não tem nada de singela. Adorei entender mais de Medeia e Jasao. Abraços, do amigo Diego.

    ResponderExcluir
  18. Gostei dos textos são muito bons! são textos muito interessantes e abrangem vários temas diferentes.
    Renan Coelho - n°29 2°A

    ResponderExcluir
  19. As Tragedias Gregas sempre nos faz refletir. Essa nos mostra as coisas erradas que podemos fazer quando amamos, mesmo o amor de Medeia sendo induzido por um feitiço.
    Renata F.R. Nunes 32 3B
    escola Leticia de Godoy Bueno Carvalho Lopes.

    ResponderExcluir
  20. As mulheres sempre fazendo de tudo pelos homens e recebendo aquela ingratidão habitual.

    ResponderExcluir
  21. Incrível, simplesmente um ótimo texto, me ajudou muito na realização de um trabalho, parabéns!

    ResponderExcluir
  22. A história não está totalmente de acordo com a tragédia. Os filhos não são apedrejados por ninguém, é a própria Medeia que lhes tira a vida para trazer maior sofrimento vingativo a Jasão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vinicius. A tragédia "Medeia" sofreu ao longo de suas incontáveis encenações alterações de acordo com o que se queria enfocar: tanto as fraquezas quando as forças de uma mulher, para sua depreciação ou endeusamento. Numa versão, ela mata seus filhos, noutra, os abandona, e noutra ainda, mata os filhos da amante de Jasão. Qual a verdadeira? Não importa, pois é a tragédia em si o foco da peça e não o que ela faz com seus filhos. De qualquer maneira, todas as versões são características próprias de um estilo teatral grego que impressionou para sempre as futuras civilizações influenciadas por essa maravilhosa cultura. Abraço!

      Excluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.