domingo, 4 de agosto de 2013

Quando uma boa intenção mata!

No ano de 1.988, duzentos e cinqüenta e três indivíduos de uma tribo indígena do norte de Mato Grosso, provavelmente do tronco linguístico Jê, foram vítimas da conjuntivite. Essa doença tão corriqueira em nossas escolas, devido ao seu rápido contágio, não poupou aquelas criaturas tão indefesas, sem imunidade biológica para um agente desconhecido e fatal.
Após o primeiro contato com aquela tribo, o exército afirmara que ela não estava pronta e nem queria receber visitantes, dada sua desconfiança ante pessoas tão diferentes de sua gente. A mídia local anunciou a descoberta e preveniu as pessoas para que não se aventurassem pelas imediações da aldeia, antes que profissionais específicos, devidamente preparados, realizassem uma aproximação pacífica e de acordo com as normas.
Ao saber que havia uma tribo desconhecida e sem contato com os ditos civilizados, um grupo de missionários evangélicos rumou à aldeia, enfrentando uma selva ainda virgem, com o intuito de evangelizar aquelas almas. Independentemente das “boas intenções”, ignoravam que levavam, além da “salvação”, a morte.
Uma semana após esse trágico segundo contato, o exército, acompanhado de uma comitiva de antropólogos e indígenas de outras tribos Jê, presenciou uma cena dantesca. Os corpos jaziam por todo o terreno da aldeia, com os rostos desfigurados, certamente vitimados pela fome e sede. Cegos e incapazes de alcançar água e alimentos, um a um caíram por terra. Uma anciã e duas crianças ainda sobreviviam, mas mesmo com os primeiros socorros, não suportaram o traslado para um hospital.
Genocídio é o nome que se dá quando ocorre não somente o extermínio de um povo, mas de todo um conhecimento acumulado durante milhares de anos por ele. Com os mortos também se vão sua cultura, suas manifestações artísticas, suas ferramentas, seu modo de produção, seu conhecimento fitoterápico, sua maneira de interagir com a floresta e com os outros seres vivos.

Nada, absolutamente nada pode ser feito ante a morte. Para alguns, o lamento, para outros, a indiferença. O caso precisou ser abafado e atenuado, pois a mídia internacional buscava respostas do governo estadual e federal. Um inquérito foi aberto e os culpados saíram ilesos perante a afirmação de um ato não doloso. A floresta encobriu os corpos e fechou-se silenciosa em si mesma. Não se falou mais no assunto e a História nem menciona o caso.


17 comentários:

  1. "De boas intenções o inferno está cheio!"
    O fato que é escrito aqui se encaixa bem nesta famosa frase popular.
    Uma das coisas que acontecem dentro das igreja (indiferente de denominações) é o despreparo. Gente despreparada guiando gente despreparada.
    Vou dar um exemplo feio:
    Eu sou o famoso fulano. Sucesso na mídia! Me converto. Tenho muito dinheiro e fama. Meu dízimo é alto. E#m curto tempo sou levantado a um importante ministério, viro pastor!
    Você que ninguém conhece, lava o chão da igreja, o banheiro,... faz muitas coisas na igreja de forma voluntária,... é levantada (quando acontece)e da mesma forma não é preparado! Tem muita gente que se intitula ou é intitulado como missionário e evangelista e não tem preparo. Dizem que tem unção, mas que unção é essa sem preparo?
    Jesus antes de sua jornada se preparou e hoje vemos pessoas que acham o preparo nada importante.
    Obra missionária e evangelismo como as demais áreas ministeriais é preciso preparo, dedicação e disciplina.
    Tem gente buscando gravadora, Tv, fama,...

    ResponderExcluir
  2. Lamentáveis poeiras que infelizmente se acumulam em baixo do tapete, neste caso, tapete da floresta...

    ResponderExcluir
  3. Sabe Sérgio, não tenho nada contra o evangelismo, mas muito contra os salvadores de plantão, os falsos profetas, que curam doenças, realizam milagres fantásticos numa encenação circense para abocanhar o dinheiro dos incautos. Você tem toda razão quando fala dos despreparados, que acabam piorando a cabeça dos ingênuos.
    Aqueles indígenas, por serem tão naturais e puros, já estavam salvos. O evangelho é que não pode ser usado como pretexto de domínio, que deixa um rastro de desserviço para qualquer igreja.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Tive aqui uma verdadeira aula de história.
    Coisas assim jamais poderiam ser esquecidas mas infelizmente com tantos acontecimentos uma história como essa é abafada facilmente, eu mesma não conhecia esse fato,pelo menos não com tantos detalhes.
    Obriga por compartilhar seus conhecimentos.
    ABRAÇO...

    ResponderExcluir
  5. Que tragédia heim......
    não pensei que essa doença matasse
    bom hj a gente v~e tantas curas das mais piores, e que pena que na época o povo não estava mais preparado ou não deu tempo de curar .
    Com certeza um imenso tapete cobriu tudo
    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá!Boa noite
    Amigo Augusto
    ...sim...apesar de não ter tido conhecimento amplo desse caso,triste por sinal, entendo que se um inquérito foi aberto e os culpados saíram ilesos perante a afirmação de um ato não doloso, é porque como a lei foi elaborada a partir do comportamento humano sem levar em consideração o meio utilizado, a arma, o desfecho da aplicação jurídica da norma é, quase sempre, a impunidade. Esta, intenção , já está explícita na própria lei. Isso porque ter intenção está sujeito a diferentes interpretações das condutas sociais às quais, mesmo inconscientemente, estamos vinculados. É fundamental entender que boas intenções são necessárias, mas nunca são suficientes.E nessa culpa inconsciente ou pré- consciente do grupo de missionários evangélicos, a conduta foi voluntária, sem intenção, acredito, de produzir o resultado ... genocídio ...porém, previsível, que poderia ser evitado e até, acredito que houve conflitos de interesses. É como me disseram uma vez: intenções são coisas do coração e o coração deve estar com o bem, antes de mais nada...senão, para alguns, o lamento, para outros, a indiferença...
    Obrigado pelo carinho da visita
    Bela semana
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. OI AUGUSTO!
    EM PRIMEIRO LUGAR, TE AGRADEÇO PELA IDA LÁ NO "SÓ PRA DIZER" .
    ESTE TEXTO NOS DÁ CONTA DO QUANTO SOMOS ENGANADOS PELAS PESSOAS QUE NOS REPRESENTAM.
    UMA VÁLIDA DENUNCIA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde Augusto!
    Eu desconhecia completamente esse ocorrido.
    Certamente os missionários evangélicos,tiveram culpa.Mas não intenção de matar os índios.
    Mas achei uma pena,terem sido inocentados...afinal homícídio culposo também é crime.
    Um abraço \o/

    ResponderExcluir
  9. Nossa que tragédia eu não sabia disso, e já sei porque, não interessa aos governantes o que ocorre com essas pessoas, exterminaram quase todos os índios do nosso pais e os que ainda sobrevivem são totalmente modernizados digamos assim, e isso foi aqui e em muitos outros países....sabe tenho vergonha da nossa raça.

    ResponderExcluir
  10. Olá amigo, de volta ao blog depois de um período de pausa, lendo seu texto fiquei aqui pensando em quantos casos a mídia já não deve ter abafado por conta de repercussões politicas, nunca tinha ouvido falar desta tragédia! Lamentável! Abraçossss

    ResponderExcluir
  11. É meu amigo, um fato lamentável, juro que que mais bem informado que tento ser não era do meu conhecimento esse fato.

    Sou contra as tentativas de contatos com tribos indígenas, acredito que se existe alguma ainda, que seja deixada isolada. É a melhor maneira de preservar. Onde o homem, dito branco, mete o bedelho onde não devia sempre apronta alguma.

    Obrigado por trazer tais informações aos leitores que tem interesse em novos conhecimentos.

    Ah, espero que sua saúde esteja cada dia melhor.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Nossa Augusto fiquei horrorizada, aqueles que lá foram não sabiam que para os indígenas sem anti-corpos, a conjuntivite seria fatal, triste mas o pior foi encobrir, triste, lamentável, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  13. Tanto a História não menciona o caso que assim como muito eu nunca soube. Infelizmente já aconteceu também em outras épocas e em regiões distintas. É um caso triste que prova também que nem sempre uma boa intenção é boa. Às vezes quem executa pode até querer e se esforçar para que seja. Mas as pessoas que estão por trás deste crime, deste genocídio, são pessoas cheias de ganância e duvido muito que assim como outrora as suas intenções foram realmente boas.
    Boa escrita Augusto, abraços.

    ResponderExcluir
  14. Impressionante Augusto, infelizmente essa não é a primeira e nem será a última história encoberta e distorcida e nesse país! Parabéns!
    Monica

    ResponderExcluir
  15. Recomendei a alguns amigos daqui da blogosfera. Uma triste história, que mais uma vez denuncia o que este país nunca deixou de fazer.

    Uma perde inestimável, como dito mesmo no texto, quando pontua a perda daquela cultura que sabe-se lá desde quando caminhava pelas gerações.

    ResponderExcluir
  16. De boas intensões o inferno está cheio, os "homissionários" como sempre, levando a morte aonde quer que vão.

    ResponderExcluir
  17. Ao saber que havia uma tribo desconhecida e sem contato com os ditos civilizados, um grupo de missionários evangélicos rumou à aldeia, enfrentando uma selva ainda virgem, com o intuito de evangelizar aquelas almas. Independentemente das “boas intenções”, ignoravam que levavam, além da “salvação”, a morte.

    Esta é a prova que religião é pior que o Crack e mais desvastadora que uma Bomba Nuclear.

    Victor Martinez Frigo-39-1C

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.