sábado, 17 de agosto de 2013

Consumo irracional

Após um jantar muito gostoso no apartamento de um casal amigo, ficamos a conversar sobre as futilidades da vida. Ambos são professores como eu e, como é sabido, fazemos parte de uma categoria profissional das mais desprestigiadas e mal-pagas desse nosso Pindorama. O assunto enveredara pela dificuldade em se administrar o baixo rendimento e adquirir produtos como bens imóveis, móveis e outras coisas básicas de uma existência confortável e de direito de todos, quando minha amiga comentou que não abria mão de comprar pelo menos um par de sapatos por mês. E mostrou-me, como se estivesse diante de um altar, uma coleção de quase trezentos pares, de todos os tipos e formas. Meu queixo não parava no lugar e minha língua teve de ser contida na marra dentro da boca, ansiosa para comentar aquele despautério. Mas optei por ser gentil até a despedida.

A mais básica lei comercial é aquela que diz respeito ao binômio oferta-procura, ou seja, de um lado o produtor e, do outro, o consumidor. Este último, supõe-se, adquire os produtos de que necessita para manter sua sobrevivência e faz o comércio e o capital girar. Um consumidor age racionalmente quando distribui seus gastos entre bens diferentes e úteis. As utilidades que ele adquire com a última unidade monetária com que paga cada um desses bens são equivalentes. Assim, ele maximiza a satisfação em todas as suas compras.
Outra análise básica do mercado se faz entre a renda do indivíduo e o preço de um produto. Contudo, a pressão social, a moda e os hábitos próprios estimulam compras desnecessárias que, não raras vezes, coloca o consumidor em apuros financeiros. Isto porque o comportamento de um consumidor nem sempre é racional. Quando um produto tem um preço exageradamente elevado, é comum se criar um prestígio de valor muito superior ao que ele realmente vale, principalmente se a marca for característica de uma classe social alta. Daí, que surgem pelas beiradas os inúmeros supérfluos tentando imitá-lo, visando atingir os consumidores de baixa renda e satisfazê-lo da mesma maneira. Estar na moda, ser aceito pelo grupo, ter prestígio e outros são fatores que estimulam as compras desnecessárias. As técnicas de publicidade e de exposição, que insuflam nas pessoas falsas vontades pela reprodução das imagens de prazer, influem na conduta consumista, alterando suas preferências em favor dos artigos mais caros e da moda, em detrimento dos artigos de primeira necessidade.

É suposto que o consumidor obtenha uma satisfação com uma compra, mesmo tendo certeza da inutilidade de qualquer bem. Contudo, proporcionalmente, a satisfação que se soma às aquisições posteriores do mesmo produto diminui com o aumento da quantidade desse bem em poder do consumidor. É que a intensidade da necessidade de posse vai decrescendo na mesma medida em que ela vai se satisfazendo até à saciedade. Assim como a fome, a sede e outros instintos, após algum tempo, eles precisam ser novamente saciados. Da mesma forma, o hábito vicioso de consumir certos produtos também precisa ser satisfeito. Daí a irracionalidade e alienação no consumo. Dizem que muitas pessoas compram o que não precisam, com o dinheiro que não têm, para se exibirem para quem não gostam e minha doce amiga, como eu e todo mundo, não é normal de perto.


26 comentários:

  1. Oi amigo,
    Compulsão por qualquer coisa é uma doença difícil de ser curada.
    Eu tive algumas, mas me cuidei.
    Quase engasgou?kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo sábio e inteligente professor Augusto, amei ler este texto/artigo!
    Despautério mesmo, nossa, mas isso está provado que é problema psicológico, pois pessoas que precisam comprar, ter, possuir mesmo sem necessitar!
    Aprendi com meus pais, que tinham uma vida simples e "suavam" muito para ganhar a vida, a ser econômica, trabalhei como contadora na minha micro empresa,em sociedade com meu marido e meu irmão, nossa, enfrentamos a era Collor, rs, depois disso meu amigo,aprendi ainda mais a dar valor ao que de fato tem valor!
    Abraços e obrigada sempre pelo carinho lá no meu espaço, amo quando me visitas, pelo fato de sermos amigos!

    ResponderExcluir
  3. Olá. Parabéns pela postagem e pela coragem de ter um blog. Estou seguindo seu blog. Siga o meu http//:gauchaopina.blogspot.com, se puder. Estou buscando novos blogs para ler, e novos blogueiros para conhecer o meu. Espero que goste de minha humilde página. Sua contribuição seguindo meu blog é muito importante.
    Até mais... Obrigado. Aguardarei um comentário seu no meu blog.

    ResponderExcluir
  4. Querido Augusto
    O consumismo exacerbado são características de uma mente emocionalmente instável e insegura. As pessoas que agem desta forma necessitam de ajuda profissional para se libertarem desta doença. Somos consumidores mas temos que ser ponderados no quantitativo do que adquirir. Uma avaliação racional ajuda bastante consumir com sabedoria somente aquilo de que realmente necessitamos. Extrapolamos algumas vezes mas fazer disso uma rotina é doença e carece de tratamento urgente. Um excelente post. Parabéns pela primorosa abordagem.
    Um excelente final de semana
    Beijos e carinhos
    Gracita

    ResponderExcluir
  5. Ola Augusto

    Texto fantastico e belissimo esse espaço!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ola de novo Algusto,

    Segui o teu blog com o novo perfil mas comentei com o antigo né? Nem percebi!rs
    Muito obrigada pela visita no blog desatualizado e me desculpe, deixa-lo sem entender nada!
    Respondi o seu comentario la ok!

    Como estou vindo de la, deixo o meu novo endereço para se desejar fazer uma visitinha!Seja muito bem vindo!

    http://asasdosversosmeus.blogspot.com.br/

    Abraços e uma linda noite pra voce!

    ResponderExcluir
  7. Bem esclarecedora a postagem. Geralmente compramos o que não precisamos com o dinheiro que não temos.

    ResponderExcluir
  8. Augusto:
    Concordo com você e com o comentário da Gracita.
    O consumo excessivo e desnecessário, é uma prática de pessoas imaturas emocionalmente.
    Infelizmente, somado a isso, temos a mídia que bombardeia freneticamente as pessoas a comprar sem freios e limites.
    No final das contas, cartão de crédito estourado e muita dor de cabeça.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  9. Oi Augusto,
    A falência financeira e moral é uma das tristes consequencias do comprador compulsivo.
    Muitas pessoas buscam em bens materiais,um refúgio para seus problemas.Na verdade estão é criando outros...
    Adorei a crônica.Vc sempre se supera.
    Tenha uma ótima semana \o/
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. A existência virou puro consumismo, mas as coisas mais valiosas o dinheiro nao pode pagar...

    Gostei do preciso texto!

    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Todo esse consumo exarcebado passa pela educação que a pessoa teve tb,a meu ver.Não que considere consumir,uma falta de educação.Sua amiga não é mal educada,talvez seja uma centopéia,apenas...rss...Se os pais dão o exemplo ao consumir o necessário e o restante com parcimônia,a criança não terá essa mania, não irá valorizar grifes e tudo mais. Um texto excelente,Augusto!bjs e boa semana,

    ResponderExcluir
  12. Maravilhoso texto aqui em casa tudo é feito com consciência desde a compra dos alimentos, economia de energia, água e por ai. Roupas e sapatos compramos qdo necessitamos...mas como disse:

    Dizem que muitas pessoas compram o que não precisam, com o dinheiro que não têm, para se exibirem para quem não gostam ....

    Assino em baixo.

    ResponderExcluir
  13. Augusto:
    Hoje vim te convidar para o niver do blog, que foi no dia 16, mas só soltei o post hoje.
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2013/08/niver-do-blog-projeto-e-outras-coisitas.html
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  14. Saudades Augusto!
    Pois é, essa tua amiga é apenas mais uma. Lá na escola também tenho esse problema, acho incrível pessoa que manejam o saber, que o repassam, tenham esse comportamento que citou. O problema não é apenas o consumismo que tomou proporções absurdas, mas também para onde vai o descarte desse consumo. Procure sobre "histórias das coisas" é um vídeo muito interessante no youtube. Abração meu amigo Augusto!

    ResponderExcluir
  15. O problema não é apenas o consumismo que tomou proporções desnecessário , muitas das pessoa consome muito por impulso , coisas que não vai ser utilizadas, gastando ate de mais , onde que a parte financeira cai , tudo para se achar superior a sociedade , todos somos consumidores mas no limite. SULAINE INAMORATO 2°a N °34

    ResponderExcluir
  16. Uma avaliação racional ajuda bastante consumir com sabedoria somente aquilo de que realmente necessitamos. Extrapolamos algumas vezes mas fazer disso uma rotina é doença e carece de tratamento urgente.
    Muitas pessoas compram o que não precisam, com o dinheiro que não têm, para se exibirem para quem não gostam... Livia - 2° G - 32

    ResponderExcluir
  17. Pois então, ela deve ser compulsiva, tendo assim que procurar um tratamento, ou é consumismo, isso é meramente o que a sociedade impõe, por exemplo, tem momentos que uma marca esta na moda, então todas as pessoas começam a comprar pra ficar na moda. Mais essas pessoas nao entende, você nao precisar ser igual a ninguém, apenas diferente, isso que relevante na vida.

    ResponderExcluir
  18. Oi professor suas palavras são bem ditas em todos os textos espero ver muito mais coisas interessantes que fazem muito de uma pessoa beijos
    letícia
    2-A NUMERO;29

    ResponderExcluir
  19. o consumo exagerado é oque todos fazem por coisas sem necessidade apenas compra por comprar.
    o texto esta muito bom, sempre melhor.
    Thales 2°G Noite N°44

    ResponderExcluir
  20. Realmente nos humanos temos um defeito a gente casta o que não tem, compra coisas sem precisão. Isto é um defeito e temos que apender nos controlar.2f n51

    ResponderExcluir
  21. Muito bom o texto, realmente no nosso cotidiano somos vitimas do consumo desnecessário, somos pegos pela mídia e acabamos gastando até o que não temos, porque quando algo chama a nossa atenção, o nosso pouco ser racional desaparece e sobra só a vontade de obter algo para satisfazer o nosso desejo que muitas vezes é momentâneo. Rodolfo 2ºA

    ResponderExcluir
  22. Realmente as vezes compramos algo simplesmente pela gula ou por querer se mostrar,gastamos oque n temos etc...Parabéns pelo texto professor
    Raphael 1ºC Nº31

    ResponderExcluir
  23. Sim, é verdade,antes de gastarmos alguma coisa nós temos que nos perguntar "eu preciso?" "é necessario pra mim" precisamos ter mais conciência antes de irmos comprar alguma coisa, e nao sair comprando que nem doido.
    Cristhian 3ºE Nº09

    ResponderExcluir
  24. em um mundo hoje onde você vale oque tem, o consumo exagerado tem praticamente o dominio sobre a sociedade,mas, todo ato irracional gera uma consequencia, devemos pensar e analisar cada situaçao, ainda mais nos dias atuais
    Marvin Aiello Nº20 3ºH

    ResponderExcluir
  25. Este é um dos motivos do endividamento absurdo da população, comprar sem ao menos se fazer aquelas 3 perguntas básicas: preciso? posso? devo?
    A frase "quanto mais se ganha mais se gasta" realmente, faz sentido quando nos vemos em uma situação em que nem nosso salário cessa as nossa dividas, e precisando assim, fazer empréstimos em cima de mais empréstimos e virar mais um número de percentual nas pesquisas falando sobre inadimplentes no Brasil.
    Bárbara Oliveira N°01 3°F

    ResponderExcluir
  26. sempre compramos coisas sem precisar as vezes pra nos mostra ou pra nos sentir melhor milka 3ta

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.