sexta-feira, 14 de junho de 2013

Eco e Narciso

Eco era uma bela ninfa e, como todas as outras, era responsável pelos cuidados de um vale, com um bosque, por onde corria um regato de águas límpidas. Possuía uma característica única: sua prolixidade. Aliás, falava e falava e inventava histórias que prendiam a todos que a ouviam. Com voz agradável, era sempre solicitada a falar e encantar suas companhias. Mas, ao contrário de outras que se divertiam às escondidas com Zeus, ela não tinha intenção de ter ninguém ao seu lado, apesar de ter muitos pretendentes. Sempre ajudava a deusa Ártemis em suas caçadas e entretinha as pessoas e os animais com sua voz encantadora e histórias sem fim, enquanto a deusa surpreendia suas caças. Sua beleza também a ajudava quando Afrodite a convidava a passear.
Um dia, Hera, a esposa de Zeus, desconfiada das saídas do marido com as ninfas, chamou-a para dar explicações. Enquanto ela falava e tentava distrair a deusa, o insaciável Zeus a traía com outra ninfa. Não deu outra, a vingativa Hera descobriu o ardil e condenou-a para sempre a nunca começar um diálogo e só repetir apenas as últimas palavras das frases que os outros diziam. Eco perdeu, assim, seu mais precioso dom. Tomada pela tristeza, passou a vagar pelo bosque, cada vez mais solitária e se escondendo de todos.
O regato que lhe cabia cuidar, em alguns trechos, era margeado por verdes campinas, onde os pastores vinham saciar a sede de suas cabras e ovelhas. Escondida, observava de longe as atividades daqueles mortais e a simplicidade de suas vidas. Foi quando notou que um deles tinha uma beleza tão divina que não lhe podia passar despercebida. Ao encontrar outras ninfas, ouviu que elas comentavam a respeito do jovem e belo pastor, que também nunca se apaixonara por ninguém e ainda se recusava a sair com elas. Seu nome era Narciso.
Esgueirando-se por entre as árvores, arbustos e rochas, todos os dias seguia os passos do pastor, de manhã ao entardecer. E a cada dia sentia-se mais e mais enamorada. Até que um dia Narciso notou que estava sendo seguido e perguntou quem estava lá. Sem poder lhe falar, Eco se mostrou e, mediante alguns gestos, tentou lhe explicar que o amava muito. Ele, não só não entendeu como a julgou louca, deu de ombros e saiu com seu rebanho o mais depressa dali.
Eco se retirou para o canto mais profundo daquele vale e chorou por muitos dias. Então, cansada de seu infortúnio, orou para Afrodite e implorou a ela que lhe tirasse a vida. Comovida por sua tristeza e por aquela voz tão doce e melancólica, a deusa se apiedou dela. Conversou com Ártemis e, juntas tramaram um plano para ajudar a pobre Eco. Roubariam um raio de Zeus e nele colocariam um encanto: aquele que o recebesse se apaixonaria perdidamente pela primeira pessoa que olhasse.
Combinaram com Eco que ficasse escondida e à espreita até que Narciso viesse dar de beber ao seu rebanho. Então, Ártemis, com sua mão certeira, atiraria o raio no pastor e Eco apareceria em sua frente. O plano era perfeito.
Todavia, assim que Ártemis lançou o raio em direção ao jovem, ele se debruçou sobre o regato para beber e viu sua própria imagem refletida na superfície da água. Foi a primeira pessoa que olhou e, pelo encanto, a primeira também por quem se apaixonou. Ficou a admirar aquela imagem até o escurecer e sem entender o que se lhe passava. Voltou para casa e, sem dormir, esperou que clareasse o dia. Correu depressa para o regato e continuou a olhar para aquele belo rosto.
Eco, inconformada, observava que todos os dias aquele rapaz vinha e se debruçava no mesmo lugar. Cada dia mais magro e pálido. Não comia mais e nem dormia. Abandonara o rebanho solto pelo campo. Definhou tanto que seu último ato foi cair desfalecido ao encontro do seu amor e submergir na fria água do regato.
Nenhum detalhe foi perdido pela pobre ninfa. Ela gentilmente recusou que as outras intercedessem por ela e também rejeitou a ajuda das deusas amigas. Mais uma vez se retirou para o interior do vale e, sabendo que não podia morrer, imaginou o seu eterno suplício. Nada mais fez e, sem comer, beber e dormir, também definhou. Tanto entristeceu e definhou que seu corpo começou a desaparecer, até que lhe sobrou apenas a bela voz, além da maldição de Hera, de repetir a última palavra de alguém.
Tomada de emoção e saudade daquela bela ninfa, Afrodite fez brotar, no lugar onde teria um encontro de amor, um arbusto muito verde, com flores de um azul sem igual e de perfume único.




29 comentários:

  1. Boa noite Augusto... uma criação envolvendo o mito dos deuses gregos.. e claro não esquecendo das ninfas.. essas são sempre partes de um todo no meu caso das poesias rsr uma bela noite até sempre

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde!!
    Olha não sabia dessa história , achei maravilhosa pq gosto desse tipo, ler tudo sobre esses Deuses e Ninfas é um luxo.Mas sabemos que tem muitos Narcisistas por ai, e como tem, tive peninha da Eco tadinha

    Deixo um abraço e um bom final de semana
    Bjuss
    Rita╭•⊰✿¸.•*ღ ღ¸╭•⊰✿

    ResponderExcluir
  3. Olá!Boa tarde
    Amigo Augusto
    Sim...li atentamente
    e penso que:
    ...Muito boa a ideia de adaptação da lenda.. ousou , envolvendo a imaginação, para dar uma impressão e interpretação muito particular..Com a reativação e a transposição para o cotidiano, fazendo-nos refletir acerca
    do sentido de alguns termos. Expressões como eco, narciso e das dificuldades nos amores, as desilusões, as responsabilidades, a traição, o ardil... o Eco( no caso, ninfa Eco) que repete apenas os últimos sons da voz que lhe chega.Por vezes, temos que saber ouvir e nem sempre, teremos a última palavra. O narcisismo, ( no caso, Ártemis)apaixonar-se pela sua própria imagem .
    Muitos dão muita importância a si mesmo, na medida em que não pensam sobre os sentimentos de outras pessoas, e por isso vivem em um mundo próprio onde podem pensar apenas sobre os seus problemas , poder, prestígio e adequação pessoal.
    E ,bem, a flor que tem agora o nome de Narciso...
    ...sim, estou melhorando.Devagar e sempre!Obrigado pelo carinho!
    Bom final de semana
    Abração

    ResponderExcluir
  4. Olá Augusto,

    Sempre gostei de contos envolvendo a mitologia grega. Esta sua criação ficou excelente e muito gostosa de ler.
    PARABÉNS pela bela criatividade.

    Excelente final de semana

    Abraço




    ResponderExcluir
  5. Olá Augusto :)
    Gostei de ler essa narrativa da Mitologia greco-romana,e ficar sabendo a origem da palavra 'eco' e também do termo 'narcisista'.
    Que história triste né?
    Eco depois de tanta tagarelice,perdeu o dom da palavra e acabou morrendo porque só tinha olhos pra Narciso,e este perdeu a chance de se relacionar com as pessoas,pois teve um amor platônico por sua própria imagem...
    Mais uma postagem fascinante!
    Adorei.
    Bjs!

    ResponderExcluir

  6. Olá Augusto,

    Voltei, pois fiquei pensando se esta seria a real lenda de Narciso e Eco ou se seria uma variante criada por você. Continuo na dúvida, apesar de ter dado uma olhada em algumas versões da lenda e ter constatado que a sua se parece com uma delas, embora não com tantos detalhes.

    De qualquer forma, adorei a leitura.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Oi Clau! A mitologia é muito rica na antiga civilização grega, porém muito pobre na romana. Os romanos não tiveram o longo período histórico como os gregos, ascenderam rapidamente e adotaram e adaptaram a maioria de seus mitos, por isso há sempre um correspondente romano de cada deus ou entidade gregos. Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Oi Vera! A versão que postei faz parte de um longo estudo de filósofos franceses sobre os cacos que restaram da história de Eco e Narciso. A original, perto do que escrevi, foi muito desvirtuada e até gerou outras vertentes e histórias paralelas. Quando fazia Filosofia, na São Luís-SP, aprofundei-me nessa história e a postei como aprendi, claro que com os meus próprios floreios. Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Felisberto! Há um distúrbio da fala conhecido como 'ecolalia', que consiste na repetição dos últimos sons emitidos pelo interlocutor, como se fosse um reforço. Nele, a pessoa afetada usa não apenas um canal receptivo (o ouvido), mas também sua própria voz para reforçar o que ouve. Outras precisam ler e falar o que leem, também para reforço. Há aquelas que 'pensam' em voz alta (solilóquio), também para reforçar e sentir apoio nas conclusões mentais.
    Há muitos estudos da fala baseados na história de Eco.
    Os gregos já sabiam disso.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, Augusto!

    Tudo bem?

    Adoro Mitologia. Acho que não deve haver Professor de História, que não goste de falar da religião e de divindades.

    Conhecia já essa bela e terna história, mas não de forma tão profunda.

    Me ensinaste, hoje, muito. Obrigada!

    Bom domingo, melhor semana.

    Beijos da Luz.

    Luzes e Luares. Obrigada!

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia esta adaptação de Eco e Narciso e fiquei surpreso ao lê-la. Sou admirador da mitologia grega, embora não tão conhecedor como gostaria. Como sempre os deuses atrapalhando a vida dos humanos, desde tempos mitológicos, rsrs. Apenas uma curiosidade: sobre este longo estudo de filósofos franceses, sobre a história de Eco e Narciso, a culpa pela imensa e intensa admiração de Narciso pela própria imagem não seria sua beleza e sim sua paixão (mesmo que suplantada). Logo o termo "narcisismo" seria diferente do que conhecemos hoje. Tem como me tirar esta dúvida professor? Valeu, grande mestre da mitologia grega. Abraços, do amigo Diego.

    ResponderExcluir
  12. Essas historias de mitologia são lindas demis, adoro.
    Um abraço carinhoso

    Paty Alves
    Ágape Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
  13. Augusto,sempre é bom demais ler e reler os seus textos.Essa lenda é muito bonita e eu não conhecia.Hoje vc está aqui no meu blog tb:

    http://recantodosautores.blogspot.com.br/2013/06/apego.html

    bjs,

    ResponderExcluir
  14. Como sou fã de Percy Jackson onde a mitologia grega impera, é exatamente essa estoria que contam, fiquei com tanta dó da Eco tadinha....esses deuses eram egoístas demais, no fundo como nós rs.

    ResponderExcluir
  15. Olá Professor Augusto, boa noite. Linda adaptação de Eco e Narciso.
    Filosoficamente falando, nos dias atuais, temos mesmo que nos apaixonar pela nossa imagem, amar a nós mesmos. Se não amarmos a nós mesmos, não seremos capazes de amar alguém ou alguma coisa.
    O amor de narciso por sua própria imagem, ao meu ver, pode ser refletida assim.
    Abraços, fica na paz de Deus.

    ResponderExcluir
  16. Mitologias sempre nos trazem conhecimentos! Suas postagens sempre nos fazem refletir sobre algo, e essa fez-me refletir sobre o amor. O amor por nós mesmos, mas sem sermos egoístas, pois amor é para ser dividido, compartilhado! Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Augusto:
    Sou fã dos mitos e das histórias antigas.
    Na época em que estava pra prestar vestibular, cheguei a pensar em cursar História.
    Acabei optando por Psicologia, e também estudei outras versões de Eco e Narciso.
    Aproveito minha visita, pra te avisar que tem um post divulgando e homenageando seu blog, lá no meu.
    Deixo o link, caso tenha curiosidade de conferir:

    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2013/06/inspiracoes-confira-se-seu-blog-esta.html

    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  18. Belo texto Augusto como sempre bem escrito e composto! Pobre Eco! Parabéns!

    ResponderExcluir
  19. Olá conheci seu blog através da homenagem no blog da Silvana,Meus Devaneios Escritos e vim conferir!!!
    E amei esse mito,amo mitos,contos lendas,histórias...Tudo que como os livros me trasporta a outro mundo!!!
    Abraços

    http://blogluminoso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá Multiplicador Augusto, felicidades para toda sua casa!

    Dia 05/07 estamos completando um ano de atividades. Vou confessar que não é nada fácil ter que organizar todas as postagens constantemente, atender inúmeros pedidos em off, porém fazemos com muito carinho e procuramos fazer o nosso melhor da forma que é possível para nós, em virtude de tempo e cansado do trabalho.

    No momento estamos de férias do trabalho e, para aproveitar esse tempo extra (as férias) queremos pedir a você em especial que convide outros educadores para conhecer o Projeto Educadores Multiplicadores. Assim nossa festa no dia 05/07 será ainda mais abrilhantada. Vamos alargar nossas fronteiras! Todos pela Educação!

    DIVULGUE PARA SEUS AMIGOS PROFESSORES o EDUCADORES MULTIPLICADORES.

    A parceria é exclusiva para blogs de Educadores/Professores que escrevem conteúdos ligados diretamente à Educação.

    Por de falta de tempo, pedimos desculpas pela demora em lhe visitar.
    .
    Abraços, fiquemos na Paz de Deus e até breve. Agradecemos sua compreensão!

    Atenciosamente,

    IRIVAN

    ResponderExcluir
  21. Mas por onde é que o "minino" tem andado?

    Cheio de trabalho, começando as aulas às sete da manhã, eu sei.

    Nossa, Augusto, é fim de semana. Faz favor de descansar. Também tive uma semana bem atarefadíssima, mas week-end é week-end.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Olá estou com saudades de vc no meu blogues seu comentário é muito importante pra mim.
    Bju

    ResponderExcluir
  23. O texto é bom. porque fala sobre uma possoa q n sabia dar valor as outras coisas e só se preocupava com a sua aparencia.É bom sabe q devemos me preocupar com coisas mais importantes do que com a nossa aparenci. sim se preocupar mais n a um ponto desse de n se importar mais com nada. e sempre ser humilde com p proximo.
    Heitor 2-C n-19

    ResponderExcluir
  24. Umas das histórias mais conhecidas,com lições de moral, pois não devemos julgar a ninguém, devemos respeitar,e se preocupar em ajudar e a entender aos outros,não apenas se preocupar consigo mesmo, nessa história Narciso passa a se admirar demais e sofre sua consequência.

    Nicole 2°D n°29

    ResponderExcluir
  25. Um dos contos que mostram a lealdade e a traição, a ninfa por ser infiel acaba traindo a confiança da outra ninfa e assim recebe um castigo, ou seja, tudo tem um preço. Já o Narciso mostra como a vaidade consegue atrapalhar a vida de uma pessoa, por ser tão vaidoso consigo mesmo acaba se apaixonando por si mesmo em uma imagem do lago e assim não consegue parar de se olhar!

    Igor, 2ºB, nº11

    ResponderExcluir
  26. Eu adoro mitos,esse é muito bom,esta de parabéns! Angela 2ºA

    ResponderExcluir
  27. Amo esses mitos , são divertidos e fazem sentido kkk'
    Amanda n°40 2°a

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.