quinta-feira, 2 de maio de 2013

Maioridade penal


Quando a indignação se torna geral significa que a sociedade está fora dos trilhos, resultado de seu próprio descaminho.
É a reação natural, que tende a um novo equilíbrio. Os exemplos são os mais simples da natureza. Quando há um desmatamento, há ocorrência de saúvas e outras pragas (assim chamadas pelo homem) por falta de predadores; há enxurradas devido à falta de obstáculos naturais, como as árvores; daí a formação de voçorocas, a lixiviação do solo e o assoreamento dos rios. A fauna e a flora aquáticas desaparecem e tudo que depende delas também vão se extinguindo. Os animais que dependiam da floresta (assim como os animais indígenas) migram e se readaptam ou morrem. Depois de todas essas tragédias, a natureza procura recuperar o que perdeu ou continua reagindo, o que para o homem representa as calamidades. Pode?
O homem se sente desvinculado da natureza e não se considera um animal. Para ele, seu mister máximo é explorar os recursos naturais até o último átomo de ouro, depois, como os mesmos gafanhotos que ele tanto despreza, vai em busca de outras lavras. Quanto aos animais, eles que se virem! Ora, para que servem os animais mesmo?
Considera-se a excelência da criação e usa a quem deveria reverenciar como escada para subir na vida, moeda de troca, pretexto para o proselitismo barato, para impor temor aos ignorantes e humildes e como escudo contra os inimigos. Alertado contra os arrivistas e agiotas, os fariseus, os comerciantes de suas palavras, os falsos profetas e que deveria amar até os seus inimigos, desdenha, subverte sua ordem e esculacha sua casa.
Para quem ainda tem esperança de que nossa sociedade vai encontrar seu rumo em direção ao sucesso malha em ferro frio, se frustra, tenta encontrar uma explicação e vive sublimando os fatos e sua esquizofrenia. Nossos jovens se recusam a aprender e humilham a quem deveriam agradecer por contribuir para sua formação. São incultos e estúpidos, alienados de seus direitos e ignorantes em seus deveres, imaturos e covardes, incapazes de criação artística (o lek-lek que não me deixa mentir) e demolidores do patrimônio cultural, arquitetônico e ético. Preferem a moral do malandro, da porta da cadeia, as tatuagens de simbolismo duvidoso e se recusam a ouvir conselhos dos mais velhos, que, para eles, representam o ultrapassado, o estorvo, aquilo que deve ser substituído.
O bem, que para a ética é geral e caracteriza a hombridade e a humanidade, é traduzido por eles como vantagem numa disputa, é imediato e egoísta. Gentileza não se encontra em seus atos e matar ou morrer já não têm sentido, porque são estatísticas de casos corriqueiros. A banalização da violência é o equilíbrio encontrado pela natureza para uma sociedade que perdeu seus valores e que luta para maquiar uma situação que se escancara sem dó.
Os jovens com catorze anos já possuem o senso do que seja ilegal, sabem do que são capazes e que, protegidos por uma legislação tacanha, desatualizada e imoral, são inimputáveis, sentem-se acima do bem e do mal e ainda se safam do enrosco com ficha limpa.
O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) foi um avanço significativo na legislação brasileira no que tange os direitos dessa parcela da sociedade. Nele, priorizou-se a punição dos maiores pelo abuso, assédio, escravização, omissão, negociação, negação do saber, do acesso às tecnologias etc. A sociedade e os fazedores das leis se sentiram o máximo e acreditaram que estava tudo resolvido. Relaxaram e se esqueceram de suas responsabilidades, principalmente as educacionais. Então, os jovens sentiram-se livres e soltos para agirem com aquela violência própria dos desumanos. Toda súcia possui alguns menores para serem responsabilizados pelos crimes hediondos, já que nem pegarão “cana” mesmo (quem duvida que os “manos” que apavoraram a Bolívia não usaram dessa estratégia?).
Atualmente se discute a redução da maioridade penal, o assunto que não se cala. Contudo, uma sociedade que se propõe madura procura encontrar seu próprio equilíbrio e não espera que a natureza assim o faça e a duras perdas.



22 comentários:

  1. Boa tarde Augusto, bem escrito e exposto aqui a que anda a nossa sociedade, bem como dizes, não há como mudar esse quadro, lamentável, reduzir a maioridade penal não vai mudar em nada,dezesseis anos? Há assassinos de dez, doze e assim por diante!!!
    Educar? Quem quer ser educado? Não há, exemplos deveriam ser dados, não dão, começa tudo em casa, no lar, pais que deveriam dar o exemplo, lamento isso tudo, como lamento!!!
    Assim como você que é professor, sei bem a missão difícil que tens!
    Parabéns pelo texto reflexivo, muito bom, amei ler!
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Augusto!


    Tudo bem? Sua mãe?

    Não estou ainda comentando postagens, nem publicando.

    De qualquer jeito, passei para deixar minhas saudades e um carinhoso abraço.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  3. Oi Augusto,td bem?!
    Eu penso que a redução da maioridade penal,provavelmente não solucionará a segurança pública,porém esses 'menores infratores' precisam vivenciar o peso de uma punição.Eles extrapolam pois sabem que no final das contas,nada lhes acontece.
    Esses dias,li uma faixa de uma manifestação sobre esse assunto,e achei pertinente:
    'Se o crime não tem idade,porque a punição teria?'
    Concordo.
    Um abraço \o/

    ResponderExcluir
  4. Olá Augusto,

    Concordo com seu texto muito bem elaborado, e nao nego que sou radical quanto a violência, aos 14 anos já deveriam pagar pelos seus atos...

    Abçs

    ResponderExcluir
  5. Esse ECA esta errado deveria ser estatuto da criança no caso até 12 anos, depois disso eu creio que o "aborrecente" já sabe muito bem o que é certo ou errado.
    Já estou cansada de ver esse menos fazerem o que querem e nos não podermos fazer nada, o povo deveria ir as ruas e exigir mudanças, fico horrorizada com os defensores desses menores, claro que investir na educação seria primordial se esses políticos corruptos não desviassem tanto dinheiro, mas ser pobre não significa que pode fazer o que quiser e culpar os outros por terem um tennis por exemplo, eu comecei a trabalhar com 9 anos, fui comprar um tennis com 14 e nem por isso sai por ai matando por nada.
    No fundo a maioria não quer saber de nada, trabalhar então para que??? Cambada de vagabundos isso sim.

    ResponderExcluir
  6. Augusto ouça os meus aplausos, uma crônica consciente, repleta de verdades, pena meu amigo que conseguimos desabafar, falar aos que pensam como nós, mas àqueles que realmente deveriam cair em si, estes nunca conseguimos nos fazer ouvir, leva tempo, torna-se necessário um amadurecimento geral, e isto leva tempo, enquanto isto aonde chegaremos? Triste não é? Abraço Luconi

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Multiplicador Augusto, desejamos muita paz pra você e a sua família!

    Venho em nome dos EDUCADORES MULTIPLICADORES convidar você a:

    @ Parabenizar os multiplicadores do mês;
    @ Dar as boas vindas aos novos multiplicadores;
    @ Retribuir comentários em sua postagem de publicação (na página índice).

    Multiplicador, precisamos de sua visita para que o Projeto Educadores Multiplicadores tenha vida e continue crescendo. Contamos com a sua presença! Os Multiplicadores agradecem a gentileza e compreensão. Ah, no mês de junho tem novidade no E.M.

    Excelente sábado, obrigado pela parceria, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

    IRIVAN

    ResponderExcluir
  8. Um assunto que é bem profundo
    Discutir , é bom mas cada um pensa de um jeito.
    Uns acham que sim, outros que não
    Na minha humilde opinião concordo, que
    tenham sim que assumir seus erros
    Mas já pensaram ,....Os presídios e cadeias estão lotados, com essa juventude presa o que vai virar
    Talvez uma guerra la dentro, tomara que tenha uma bom planejamento para essa solução
    Bom final de tarde
    Bjuss
    Rita@

    ResponderExcluir
  9. Olá Augusto
    Gostei muito de seu texto,é bom ler opiniões neste assunto, assim aprendemos muito mais e vemos como estamos em um pais onde a lei não é igual para todos. Em minha opinião os jovens teriam que pagar cedo por seus erros.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Olá Augusto. O seu texto tem reflexões importantíssimas. Nosso jovem perdeu o valor, mas acredito também, que por que nossa sociedade perdeu muito antes este mesmo valor. Não acredito que diminuir a maioridade sana ou sequer melhora parte do problema da violência. O que percebo é que não temos segurança efetiva e que os presidiários que saem das penitenciárias não voltam em condições de se re-ingressarem na sociedade. Penso que se tivermos eficácia na segurança e eficiência no tratamento carcerário, inibiríamos o infrator de cometer o ato criminoso, independente de ter 70, 40, 20, 16 ou 12 anos. Até lá me parece paisagismo social, tapar o sol com aquela velha peneira. Mas aqui é uma opinião de um humilde amigo. Abraços camarada Augusto.

    ResponderExcluir
  11. Augusto:
    Seu texto está brilhantemente escrito.
    Concordo com sua frase sobre os adolescentes serem alienados de seus direitos e ignorantes em seus deveres.
    Educação não faz parte do repertório dos jovens de hoje em dia.
    A ausência de limites e a supervalorização da liberdade, chegaram ao ponto crítico.
    Todavia, a redução da maioridade penal não é a melhor solução para acabar com a violência urbana.
    Esse é um problema extremamente complexo, para ser abordado somente sobre uma perspectiva.
    Bjs.:
    Sil
    http://www.meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Concordo plenamente, nosso país está indo para a me#da , graças a sociedade e os políticos vagabundos!
    Amigo desculpe as expressões, mas quando leio sobre política, e escuto os absurdos que estes governantes falam na mídia... minha revolta é tamanha, é um assunto que gera uma abordagem imensa!!! Mas quem sabe nosso mundo virtual, onde basta um clique estamos a onde quisermos, e colocamos a boca no trombone, e aqueles que são APOLITIZADOS UMA SOCIEDADE “PACATA”, INCAPAZ DE SE INDIGNAR E PROTESTAR DIANTE DE TANTOS ESCÂNDALOS ENVOLVENDO DINHEIRO PÚBLICO. Vejam, leiam e aprendam alguma coisa para que nas próximas eleições consigamos botar pra fora esta corja de bandidos que estão governando nosso país. Abraços meu amigo !
    Clarice

    ResponderExcluir
  13. Estamos em uma sociedade em que ao invés de punirmos coisas erradas,estamos "fechando os olhos" para o que esta acontecendo.
    Eu sou totalmente a favor da redução da maioridade penal no Brasil,pois se os nossos jovens são capazes de praticar atos criminosos, eles também tem que serem capazes de responder pelos seus atos.
    Yasmin Sofia Schneider - 2ºA -Nº38.
    Escola: "Letícia" .

    ResponderExcluir
  14. Concordo plenamente com tudo o que está no texto, e acho que a maioridade deveria sim existir no Brasil, que sabe assim não se tornaria um país um pouco melhor e sem tantas barbaridades.

    Larissa Rabanera, Nº18 - 2ºB

    ResponderExcluir
  15. OLA PROFESSOR EU CONCORDO COM O TEXTO ,ACHO QUE COMETEU CRIME TEM QUE PAGAR TEM QUE SER PUNIDO ,POIS NO ESTADOS UNIDOS INDEPENDENTE DA IDADE COMETEU CRIME É PRESO ,SE O SER HUMANO É CAPAZ DE COMETER UMA CRUELDADE DESSA SENDO DE MENOS ELE TEM CAPACIDADE DE PAGAR TAMBEM PELOS SEUS ATOS !!
    JUSTIÇA SEMPRE É BOM !
    BARBARA 3°E N°07

    ResponderExcluir
  16. Para mim,a maioria dos adolescentes que entram no mundo crime são por não ter oportunidades na vida.Não tem apoio dos pais,chegam em casa vêm os pais fazendo coisas erradas,etc...
    Na minha opinião,o adolescente em vez de ser mandado para fundação casa,deveria ser obrigado a terminar o ensino médio.

    André N3 3TA

    ResponderExcluir
  17. Quando um menor de idade é pego participando de qualquer tipo de crime, ele fica detido por no máximo 45 dias,o menor pode ser submetido medidas socioeducativas como Prestação de serviços à comunidade Liberdade assistida e outros.
    leandro N:27 3TA NOITE LEA

    ResponderExcluir
  18. Acredito que a maioridade penal em alguns casos deveria ser diminuida, como por exemplo jovens menores de idade quando cometem algum crime, sempre sai ileso, por isso nunca param com os crimes, então acho que como maiores de idade eles deveriam pegar uma pena siim ...
    Jean Victor Gomes Marques 3°c n°11

    ResponderExcluir
  19. Na minha opniao a maioria das crianças entram no crime, por ter a oportunidade dês de cedo, ou também por não ter os pais presentes.
    Eu acho que quem comete crime, tem que ser punidos por eles, pois nos estados unidos, quem comete crime é preso,não importa a idade.

    NOME-Luana N-21 SERIE-3C

    ResponderExcluir
  20. atualmente e a maioridade penal ta sendo muito discutida, maior parte dos crime esta sendo menor de idade e infelizmente eles no sao punidos com deve ser feito e a maioria deles sei pior ou ate como vitima..... JULIO CESAR N:14 3A

    ResponderExcluir
  21. QUANDO UM MENOR COMETE UM CRIME ELE É PUNIDO COM PENA MAXIMA DE 3 ANOS, ELE DEVERIA SER PUNIDO COM MAIS RIGOR POIS SABEMOS QUE A FUNDAÇÃO CASA NADA RESOLVE.
    MATHEUS HENRIQUE ALVES N:21 3A

    ResponderExcluir
  22. A maioridade penal é vista como brincadeira para os jovens infratores, porque sabem que não serão punidos rigorosamente já esta na hora de mudarmos isso
    Rafael Marçal N:24 3a

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.