terça-feira, 12 de março de 2013

Privilégios X Direitos Humanos

Os direitos humanos se realizam quando todo o povo goza do mínimo que todas as pessoas precisam para buscar a felicidade: respeito, saúde, moradia, educação, trabalho, liberdade para formar sua própria opinião e expressar suas idéias e crenças. Isso também inclui a liberdade para se organizar politicamente, o direito de usufruir os avanços tecnológicos, quando podem se mover pelo território livremente etc.
Quando só alguns possuem estas condições, os direitos se transformam em privilégios de poucos. As outras pessoas são excluídas, e para elas o que sobra é a discriminação. Hoje, a exclusão e a discriminação possuem várias formas: quando algumas pessoas são muito ricas, enquanto a grande maioria fica cada vez mais pobre; quando alguns grupos mandam e desmandam no seu governo, enquanto o povo é oprimido pela polícia ou pelo exército.
Os direitos humanos surgiram das lutas para acabar com privilégios, e se tornaram os princípios fundadores de um jeito novo de encarar o mundo. Por isso, a dignidade da maioria das pessoas depende de que todos os direitos humanos sejam realmente cumpridos, protegidos, garantidos, realizados e desfrutados.
Vivemos diuturnamente o descaramento acontecer: assassinos condenados a uma pena ridícula; bêbados matando no trânsito e saindo livres; representantes do povo se locupletando com o dinheiro público, protegidos pela imunidade parlamentar (uma das maiores vergonhas do código brasileiro); o povo sendo enganado e expropriado por igrejas (empresas) de fachada, que vendem cara a salvação e por aí vai. A lista é imensa e quem ler este texto, com certeza, saberá indicar muitos outros privilégios garantidos pela lei ou pela interpretação canhestra dela.
Dizem que o paraíso não é uma saudade e também não é uma esperança. Que ele pode ser realizado aqui e agora. Mas quem quer viver no paraíso?

15 comentários:

  1. Augusto,eu adoro ler suas cronicas porque sempre traz um enfoque que abre as mentes,e gostei de ver por escrito algumas das ideias que tb compartilho! De tudo que tem acontecido sobre esse assunto o julgamento de Gil Rugai foi o que mais me revoltou porque no final o cara continua solto e com uma justificativa tão pobre que nem dá pra compreender!Obrigada por sua leitura no Educação em foco!Sempre é bom te ver por lá,com suas preciosas opiniões!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Oi Augusto,boa tarde!
    Tá tudo pelo avesso,pois conforme diz o texto: 'os direitos humanos surgiram para acabar com os privilégios'...
    Na prática a teoria é sempre outra.
    Na realidade,o Brasil,tem mais privilégios que direitos.
    Um abraço \o/

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo professor Augusto, seu post diz tudo o que muitas pessoas gostariam de dizem, mas nem todos podem por não terem argumentos ou até quem os ouçam e assistam.
    Todos sabem que direitos humanos aqui são para os "bandidos",por incrível que pareça, nem dá para entender.
    Aqui em São Paulo está cada vez pior, ninguém tem proteção em nenhum sentido, nem no trânsito e é justamente no trânsito que os bandidos agem sem nenhum constrangimento, as leis, ah, essas os advogados acham brechas, está tudo bem, tudo bem!!!
    Seria infindável a lista, mas como dizes, é imensa!
    Grande abraço meu amigo!Parabéns pelo ótimo texto!

    ResponderExcluir
  4. Boa Noite Augusto estou aqui tento o prazer de ler mais uma crônica sua, muito inteligente e justa, é amigo o ser humano é bem triste,

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Augusto
    Tudo bem?
    simples coincidência ... estava no blog da Calu, comentando abaixo do seu.Lá, opiniões parecidas.
    bem...privilégios e direitos humanos...
    todas pessoas nascem essencialmente iguais e, portanto, com direitos iguais. Mas ao mesmo tempo que nascem iguais todas as pessoas nascem livres. É evidente que todos os seres humanos acabarão sofrendo as influências da educação que receberem e do meio social em que viverem...e essa se torna a diferença dos iguais. Outro problema é que são direitos que não podem resultar de uma concessão da sociedade política, e sim são direitos que a sociedade política tem o dever de consagrar e garantir...e quem disse que garante? Já que sofremos um processo de negação dos direitos sociais arduamente conquistados, na medida em que o Estado abandona o povo à sua sorte e mantendo os privilégios dos “ricos” e a carência de direitos dos “pobres”. Eu vejo como necessidade imperiosa, a organização de uma cidadania ativa para a legítima pressão sobre os poderes públicos. ..deixarmos de ser menos alienados e influenciados por uma série de fatores... os recursos do dinheiro e da capacidade demagógica ...
    Meu carinho e agradecimento pelas suas palavras em meu blog
    Boa quarta feira
    Abraços
    ps...eu tinha feito um comments e quando fui postar, caiu a net, risos.....tá valendo esse...

    ResponderExcluir
  6. Augusto. De todos os vícios, a impunidade é um dos piores. Fico perplexa com as notícias e os motivos alegados, por exemplo, no caso de assassinatos. É como se matassem hoje, pensando que amanhã a vida retorna. Uma calamidade que nem a fé, por vezes, dá jeito. Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Concordo com o texto...

    Vivemos num mundo ilusório...

    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto Guto, concordo plenamente que mundo feio e cheio de valores invertidos estamos vivendo essa parte destaquei:

    Quando só alguns possuem estas condições, os direitos se transformam em privilégios de poucos.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Augusto.

    é bem por aí mesmo, direitos humanos é a forma mais primordial de igualdade enquanto ainda persistir as desigualdades.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Esta é uma equação que não fecha,Augusto,e a cada situação que nos assombra confirmamos revoltados a escalada dos privilégios em detrimento dos direitos humanos que deveriam ser inalienáveis e respeitados em qualquer esfera da sociedade.
    É preciso saber/é preciso refletir/é preciso agir;e tua precisa crônica nos convida a viver esta listagem.
    Um abraço,
    Calu

    ResponderExcluir
  11. Se os reacionários de plantão focassem no significado de direitos humanos da sua postagem estaríamos progredindo... mas não... focam naquela maldita frase: "diretos humanos para humanos direitos" acho muito vil e tosco. Adoraria saber como definem um "humano direito"... só que não. Abraços Augusto, como sempre, de parabéns. Do amigo, Diego.

    ResponderExcluir
  12. ISSO SERVE PRA QUEM É A FAVOR DA PL-122.

    ResponderExcluir
  13. A maioria das pessoas só querem seus privilégios, temos um governo falho, onde leis não são cumpridas, pessoas fazem barbaridades e não pagam pelos seus atos, os direitos humanos é uma coisa apenas descrita, pois na prática ainda se a muito o que mudar para que possamos viver tranquilamente sabendo que estamos seguros e que todos nossos direitos serão garantidos!!
    nome:Victor 3ºB Nº38

    ResponderExcluir
  14. Quando um grupo busca seus direitos, na verdade está escluindo os outros. Vejamos o caso das cotas: um branco pobre nao terá esse beneficio. O que constitui privilegio para uma raça. As demais terão que lutar, mas nem sempre vencerao. Isso é exclusão e discriminação legalizada. Nao adinat combater as desigualdades criando privilagios de grupos.

    ResponderExcluir
  15. Estou lendo pela primeira vez, e comungo, por nos permitir ampliar a visão crítica diante dos fatos descritos e a realidade política da qual estanos vivendo. Continue nos oferecendo meios para uma boa leitura.

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.