sábado, 9 de fevereiro de 2013

Transgressão


Muito já se pensou sobre as causas do comportamento humano, porque somos livres, e isto significa que podemos optar entre o que nos convém ou não, decidindo por nossa própria conta. Podemos dizer sim ou não a uma ordem, costume ou funcionalidade, independentemente do que os outros pensam ou querem que façamos, até de prêmios ou de punições. Só obedecemos a causas naturais, porque delas ninguém pode fugir.
Se olharmos à nossa volta, veremos que alguns não respeitam as faixas de segurança ou o sinal vermelho e que outros atravessam a rua fora das faixas, que uns se apoderam de objetos alheios e outros não se desculpam de uma grosseria, que um nem penteia os cabelos e outro usa roupa extravagante, um não entra em elevadores e outro não voa de avião, uns não se dedicam a causas nobres e outros destroem patrimônios públicos.
A lista de desobediências não pára por aí e ela tem causas diversas. Ela gera conseqüências desagradáveis não só para os que as praticam, pois sempre sobra um pouco para as pessoas indefesas. Esses maus atos podem ser chamados de imorais, porém são tão comuns e normais que alguns pensam que podem praticá-los à vontade. Ouvimos sempre essa frase: “Todo mundo faz!” Para quem pensa assim, o respeitador das normas é um otário.
As diferenças entre as pessoas não implicam desigualdades e sim particularidades. E são justamente estas particularidades que fazem de uma pessoa ser um indivíduo, isto é, indivisível, único no universo. Tanto elas nos afastam quanto nos atraem, porém, devem ser respeitadas.
Não são as regras ou normas que fazem de nós bons seres humanos, porque nossos comportamentos variam de acordo com as circunstâncias, o meio, o momento, a motivação e a conduta de outros seres humanos. Todavia, se somos livres para agir dentro destas possibilidades, por que, muitas vezes, optamos por uma má ação?

6 comentários:

  1. Oi Augusto!
    Antes de falar sobre texto preciso me desculpar com você. O meu sumiço não foi voluntário e é óbvio que uma pessoa com o seu caráter jamais cometeria uma indelicadeza. A indelicada aqui sou. Mas às vezes nos acontecem coisas que nos tiram do prumo. E estou atravessando uma fase difícil aqui na blogosfera. Fui agredida verbalmente por uma pessoa que eu tinha a maior consideração. \e estas coisas deixam a gente com o emocional abalado. e quando estou assim não gosto de fazer visitas pois sou muito transparente e acabo deixando transparecer a minha mágoa. Tenho pavor de ferir alguém. Mesmo quando me ferem não retruco e prefiro me recolher no meu canto até a ferida cicatrizar. Eu gosto demais de você. Nunca se esqueça disso. Já te falei da minha admiração por ti.
    Guarde isto mesmo que eu desapareça eu jamais vou deixar de gostar de você meu amigo querido.
    Todas as formas de transgressão são muito graves. Existem pessoas que acham acima d bem e do mal e saem por aí aprontando e cometendo a pior das transgressões a moral. Pessoas amorais ofendem e agridem sem piedade e o que é pior baseada em fatos e opiniões errôneas que elas formam em suas mentes doentias e deturpadas.
    Desculpe amigo! Fiz um desafo!!!! Isso não é um comentário rsrs. É um falatório... rsrsr
    Um abraço com a minha sincera amizade. Te gosto muitooooo!!
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. Amigo professor sábio e querido Augusto, porque muitas vezes as pessoas optam por uma má ação?
    Acredito que se são jovens o fazem por medo da exclusão, sim, acredito que é isso, pois ninguém quer ser excluído, no meu tempo, já faz tempo, eu tinha uma opinião própria que custava não me enturmar facilmente, estudava, lia muito, pensava, enfim...Mas nunca me arrependi de ser eu mesma, nunca, mesmo porque encontrei o meu marido ainda em tenra idade, somos felizes até hoje e vejo meus netos crescendo e sendo meus amigos, sou bem moderna sem nunca perder o meu "eixo".
    Adoro ler seus textos, me identifico!
    Grande abraço!
    Ivone

    ResponderExcluir
  3. Acredito que seja uma questao de caráter, ou vc tem ou nao tem!

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Texto brilhante Augusto, somos seres movidos a circunstâncias, e muita imprecisão mora nessas surpresas da vida.

    É preciso ponderar sempre, para que não possamos nos tornar iguais aos que procuramos nunca imitar.

    Muitos abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá Augusto, bela postagem, concordo quando diz que “As diferenças entre as pessoas não implicam desigualdades e sim particularidades”. Cada ser é único e muitas vezes queremos que as pessoas sejam como desejamos que elas fossem. Esta particularidade natural de cada um deve ser respeitada e jamais impor mudanças para nos agradar ou agradar alguém , desta forma estaremos podando o direito da pessoa ser o que ela é.Realmente, estas particularidades, tanto nos afastam como nos atraem. Abraçoss uma linda tarde.Obrigada pelas visitas importantes ao meu blog.

    ResponderExcluir
  6. Podemos dizer que transgressão significa a ação humana de atravessar, exceder, ultrapassar, noções que pressupõem a existência de uma norma que estabelece e demarca limites.
    Ramony 2D - n°37

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.