quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Pena de morte

Há mais de dois mil anos, na Grécia Clássica, Platão ensinava que era preciso educar bem as crianças para que não fosse preciso punir os homens e que essa educação deveria ser de acordo com as tendências inatas das pessoas. Aqueles mais agitados, dados à peleja, deveriam ser soldados e seguir uma carreira militar, ocupar-se da segurança, da ordem pública e da defesa da sociedade em caso de conflito externo. A disciplina e hierarquia militar conteria os excessos de suas partes. Os laboriosos seriam os produtores de bens e se ocupariam também de acordo com sua vocação em cultivar as terras, construir prédios, comerciar as produções, pastorear os rebanhos etc. Estes trabalhariam para todos, já que constituiriam a grande maioria da sociedade. Já, os considerados mais inteligentes e engenhosos, seriam educados para obter sempre mais conhecimentos até serem considerados filósofos (amantes do saber). O governo então caberia a estes indivíduos, pois se pressupunha que eles estariam aptos a tomar as decisões mais acertadas em quaisquer circunstâncias, tanto de ordem interna quanto externa. A elaboração das regras sociais (leis), de sua aplicação e do julgamento dos desacordos seriam de sua competência. Assim, seriam também juízes, determinando a pena devida aos infratores. Das penas, ele até menciona a capital, ou seja, quando a vida do infrator é retirada, pois presenciou a morte injusta de seu grande mestre: Sócrates. Mas preferia separar o indivíduo do convívio social e lhe dar uma ocupação em lugar distante e vigiado, para que se tornasse produtivo e ressarcisse os danos causados ao(s) lesado(s). Talvez ele estivesse falando, em temos mais recentes, de uma colônia penal. O grupo que estaria no governo sempre seria substituído por outro, após quatro anos, para que não houvesse corrupção e para que as paixões do poder não os tornassem tiranos. Claro que toda a sociedade deveria vigiar as ações dos governantes e apoiá-los nos acertos, mas se opor e destituí-los quando o descaminho fosse evidente.
Como se vê, os assuntos tratados não são sobre casos recentes de nossa sociedade. Os crimes de caráter social, político, econômico e outros já era uma preocupação desde a Antiguidade. No Gênese bíblico, Caim foi degredado por ter cometido crime contra o irmão. Já Tiradentes, aqui no Brasil Colônia, a Coroa preferiu subtrair sua vida para dar exemplo de sua força. Mas há muitos outros exemplos históricos onde os criminosos foram expulsos de sua sociedade para se redimirem no exílio. Na época medieval, eles eram encarcerados até a morte.
Cada sociedade possui suas regras de convívio, porém o que se faz com ela gera outras discussões. Compete a nós todos vigiar essas regras e destituir aqueles que governam, que legislam e que julgam em desacordo com elas, pois o poder político ao povo pertence. O que adianta correr e gritar após o estouro do rebanho? Se esse povo se aliena, se corrompe, comete atos impróprios a todo instante, como exigir a justiça que não possui, a competência que não se preocupou em adquirir, o conhecimento que lhe possibilitaria dar um salto de qualidade? Quanto à pena de morte, aquele que a executa não estaria cometendo o mesmo ato que o infrator? A polêmica permanecerá enquanto houver sociedade humana no planeta, mas vigiar é preciso.

22ª BC - Pena de Morte - Sim ou Não?
http://www.cafeentreamigos.com/

26 comentários:

  1. Olá Augusto
    Nenhum ser humano está imbuído de princípios tão verdadeiramente éticos para que lhe seja outorgado o direito de ceifar vidas. Devemos estar comprometidos com a observância dos códigos e leis que regem os sistemas prisionais, pois daqui podemos fazer exigências contundentes aos nossos governantes. Arrasou na abordagem.
    Um lindo dia pra você meu amigo
    Beijinhos
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo Augusto, cimo sempre você deu uma aula de conhecimento, e como professor, não se furtou e cumpriu a rica nos mostrando como a sociedade tenta se organizar desde os tempos mais remotos. Apesar de toda evolução acredito que temos muito a aprender com a antiguidade. Obrigado!

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Amei seu comentário é de um conhecimento de bom gosto, mas eu tenho ainda minhas duvidas de falar sim ou não, acho que vai depender mesmo dessas leis que precisam melhorar muito, e seu post la no meu cantinho foi de grande valor
    Abraços de boa tarde
    Bjuss
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  4. Se pararmos para pensar a pena de morte já acontece, os executores são aqueles que não sabemos como punir.

    ResponderExcluir
  5. Para 5n3v35. Claro que ela ainda acontece: há grupos de extermínio, para militares, terroristas, bandidos, traficantes, políticos, maníacos, estupradores, malufistas e outros. Gostaria de vê-los todos mortos, para o bem de todos. O problema é que muitos deles são ricos e poderosos, que manipulam as leis em seu favor. Deveriam, no mínimo estar presos e trabalhando para pagar seus custos.

    ResponderExcluir
  6. Uma excelente participação.
    Muita regalia para quem não merece, prisão perpetua sem direito a nada com certeza iriam pensar mil vezes.

    ResponderExcluir
  7. Nossa arrasou...
    sou contra mas tem horas que dá vontade de fazer justiça com as próprias mãos, nossas leis tem que mudar rápido são uma vergonha.

    ResponderExcluir
  8. Augusto,
    com que satisfação leio tua pertinente argumentação.Temos em comum o olhar recorrente entre o passado e o presente da humanidade, já que somos sujeitos históricos constitutivos e constituintes deste caminhar que nos traduz.
    Vejo, como vc, o grande abismo a ser superado pelo povo brasileiro, mas como disse lá na Bia, sou um tanto utópica.Creio nas possibilidades.
    Grata por tuas gentis palavras lá no blog.
    Meus aplausos aqui vão!
    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Esse assunto realmente é muito interessante né Augusto?
    Eu ainda não tive tempo de ler o texto dos amigos e também não participei dessa vez (infelizmente) o seu é o primeiro que estou lendo.
    Gostei de como nos falou, mostrando partes da história, eu acredito que ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém, mas que a justiça deveria ser mais rígida, principalmente em crimes hediondos. Sei também que como humanos, muitas vezes temos essa vontade de fazer justiça com as próprias mãos.. mas acredito que violência trás mais violência sempre..
    É como eu disse, é um assunto muito complexo. Claro que em uma hora de ira a vontade é de acabar com a vida de quem cometeu uma atrocidade.
    E também penso nas falhas, inocentes sendo condenados erradamente, como já vimos.. e se acontecesse isso e um inocente fosse morto por engano?

    Adorei sua participação..
    Uma ótima noite viu?

    ResponderExcluir
  10. Muito bom seu post.
    Obrigada por seguir meu blog, eu também já estou seguindo o seu.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Oi Augusto. Meus parabéns pela sua participação. Uma aula de História deliciosa, muito bacana. Diante do Estado Brasileiro, de fato, a pena de morte não seria prudente. Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Acredito que pena de morte é um pouco demais e com o sistema injusto que temos seria no mínimo perigoso! Sou a favor da prisão perpétua para crimes hediondos. Porém, que o preso trabalhe para seu próprio sustento!Seu texto ficou ótimo.Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Otimo post Augusto, realmente é um problema da sociedade que não sabe educar seus filhos e consequentemente educar os detentos. Leis mais severas urgente!!!

    Paty Alves
    www.agape-amorverdadeiro.blogspot.com
    www.patyiva.blogspot.com
    www.tentardecoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Olá Augusto!

    Gostei muito de te ler, principalmente, por teres falado na Grécia antiga, na época dos tempos medievais e de como foram implantadas as leis. Porém, terminas o texto sem dar a tua opinião entre o sim e o não, acerca da pena de morte.

    Tem um dia feliz. Hoje está sol por aqui em Portugal.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Para Cris H. Termino o texto perguntando "Quanto à pena de morte, aquele que a executa não estaria cometendo o mesmo ato que o infrator?" e é por isso e muitos outros motivos que sou terminantemente CONTRA.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Augusto!

    Bela lição, excelente aula de História! E da Antiga Grécia, até aos nosssos dias, a essência não mudou, infelizmente.
    O seu texto está muito bem escrito e muito explícito.
    Somos Professores, há que explanar bem a "matéria".

    Quanto ao assunto, ele é muito interessante, mas subtil, delicado e mesmo cirúrgico.
    Só Deus tem o direito de terminar com nossas vidas, em minha opinião, mas há casos que... (você conhece muito bem o que significam as reticências).

    Tenha um bom domingo.

    Beijo da Luz.

    Afetos e Cumplicidades

    ResponderExcluir
  17. Gostei da aula de história, com certeza esse tema é polemico, creio que se as coisas continuarem no patamar que estão daqui uns anos todos serão a favor infelizmente, bem disse:

    Se esse povo se aliena, se corrompe, comete atos impróprios a todo instante, como exigir a justiça que não possui, a competência que não se preocupou em adquirir, o conhecimento que lhe possibilitaria dar um salto de qualidade?

    ResponderExcluir
  18. Pena de morte não, mas leis mais severas que realmente faça o individuo pensar mil vezes antes de cometer crimes o que temos hoje é um sistema falho.

    ResponderExcluir
  19. Na minha opinião deveria haver sim a pena de morte! Pois se uma pessoa retira a vida da outra sem motivo algum, ou por motivos fúteis como um aparelho eletrônico, dinheiro ou até um amor não correspondido que acabam levando a morte, elas deveriam ser punidas com a pena de morte, ou então, que houvesse mais investigação e que formulassem leis mais rígidas para esse tipo de ação. Cada dia mais as pessoas brigam por motivos tolos e isso acaba fazendo com que as pessoas se revoltem e não deem importância a Vida! Muitos adolescentes praticam o crime pois sabem que dias após praticar esse crime já estarão soltos e livres novamente para pratica-lo! Portanto acredito que deveria sim haver pena de morte, más antes deveria de haver uma investigação para ver o porque isso ocorreu, não só punir, e sim corrigir o erro da pessoa e mostrar que a vida é uma só e temos que usufruir o melhor dela!


    Igor, nº11, 2ºB

    ResponderExcluir
  20. Digamos que a pena de morte é um ato da Justiça, sujeito às regras do Direito e da Lei , ela tambem distingue-se da eliminação de indivíduos julgados indesejáveis .
    Ramony 2D - n°37

    ResponderExcluir
  21. uma justiça que devia ser aplicada em mais lugares . Gabriela 12 3ºB

    ResponderExcluir
  22. opinioes diferentes mais o tema muito discutido e minha opiniao é nao n concordo com a pena de morte Raphael---1ºC---nº31

    ResponderExcluir
  23. A pena de morte é uma punição extrema, degradante e desumana. Viola o direito à vida. Qualquer que seja o método de execução utilizado – electrocussão, enforcamento, câmara de gás, decapitação, apedrejamento ou injecção letal – a pena de morte constitui-se como uma forma de punição violenta que não deveria ter lugar no sistema de justiça actual.
    E no entanto persiste.
    Em muitos países, os governos justificam a utilização da pena de morte alegando que esta previne a criminalidade. Contudo, não existe qualquer prova de que este método seja mais eficaz na redução do crime do que outras punições severas.
    A pena de morte é discriminatória. É frequentemente utilizada de forma desproporcionada contra pobres, minorias, certas etnias, raças e membros de grupos religiosos. É imposta e levada a cabo de forma arbitrária. Nalguns países é utilizada como um meio de repressão – uma forma brutal de silenciar a oposição política.
    A pena de morte é irrevogável e, tendo em conta que o sistema de justiça está sujeito ao preconceito e ao erro humano, o risco de se executar uma pessoa inocente está sempre presente. Esse tipo de erro não é reversível.a amnistia Internacional opõe-se à aplicação da pena de morte, sejam quais forem as circunstâncias e trabalha no sentido da sua abolição em todos os países, é isso que eu intendo sobre a pena de morte minha opinião Gabriel N°11 1C

    ResponderExcluir
  24. -'Creio que a pena de morte não seria um ato de justiça, sendo que justiça de punir com a vida só deveria ser exercida por Deus, mais sim acredito que se as leis de nosso país fossem mais severa nem de longe teríamos tantos crimes e pena de morte nunca teria passado em nossas cabeças como solução.Fabiana 3ªG nª08

    ResponderExcluir
  25. Na minha opinião deveria haver sim a pena de morte! Pois se uma pessoa retira a vida da outra sem motivo algum, ou por motivos fúteis como um aparelho eletrônico, dinheiro ou até um amor não correspondido que acabam levando a morte, elas deveriam ser punidas com a pena de morte, ou então, que houvesse mais investigação e que formulassem leis mais rígidas para esse tipo de ação. Cada dia mais as pessoas brigam por motivos tolos e isso acaba fazendo com que as pessoas se revoltem e não deem importância a Vida! Muitos adolescentes praticam o crime pois sabem que dias após praticar esse crime já estarão soltos e livres novamente para pratica-lo! Portanto acredito que deveria sim haver pena de morte, más antes deveria de haver uma investigação para ver o porque isso ocorreu, não só punir, e sim corrigir o erro da pessoa e mostrar que a vida é uma só e temos que usufruir o melhor dela!
    Bianca Nº03 3ºB

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.