sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Mancia


Desde quando o homem olha para o céu e implora aos deuses uma solução para seus problemas imediatos? A resposta é: desde que ele se tornou homem. E, desde que se tornou homem, preocupou-se em registrar, primeiro na memória, depois graficamente, o ritmo dos acontecimentos, muitos deles que se repetiam ano após ano. Essa noção do tempo que passa determinou o conceito de que há algo que vem e que se vai, num fluxo do futuro para o passado, o devir. A repetição de alguns fatos, como o período das águas, época das frutas e dos cereais, migração de animais, tempos frios e quentes etc., contribuiu para que ele intuísse que esse fluir era cíclico e espiralado. A morte dos seres vivos o fez compreender que ele também era mortal e que o seu fim estava em algum momento daquele fluir, ou seja, no futuro. E os deuses, que estão sempre lá no céu, são imortais e sabem de todas as coisas. Agradar ou até chantagear os deuses para que eles revelassem coisas do futuro poderia determinar um status diferente para aquele que, dentre todos, pudesse ler nas entrelinhas dos acontecimentos o destino que estava reservado a todos e a cada um. Intermediar a vontade dos deuses passou, assim, a ser uma ocupação de destaque para aquele indivíduo, a despeito de sua força física, e o fato de ser um escolhido lhe determinou o status de sagrado, de intocado, de respeitável, e sua palavra se tornou lei.
A constância em observar os corpos celestes fez surgir uma prática que se firmou e vige até hoje, a astrologia, embora a ciência tenha comprovado que aquela não possui nada de científico, isto é, de racional. Assim como se percebe formas conhecidas nas nuvens, a posição dos planetas, lua e estrelas também formavam imagens de um cisne, caranguejo, guerreiro, cão, leão, tridente, escorpião, peixe etc. O homem vê o que quer ver. Para os antigos, plenos de um modo mítico de viver, aquelas imagens tinham a ver com os fatos do momento, porque estavam em destaque na abóbada visível. Sendo assim, os nascidos durante sua vigência, carregavam, como numa impressão, suas características básicas e elas determinavam sua natureza e caráter, daí suas ações. Cada indivíduo, então, passou a ser previsível ao encarnar inconscientemente o que a conjuntura celestial lhe impunha. A construção de calendários, que pudessem orientar as ações econômicas vitais, como o plantio e a colheita, o estio e as águas, a estocagem e a distribuição dos bens etc., também se regeu por essa prática, a mancia.
Mancia (do grego - adivinhação) é um processo de interpretação do futuro. Ela depende da cultura de um povo e se baseia em métodos, objetos, estados, conjunturas etc. A leitura da posição dos astros (horóscopo), as linhas das mãos, entranhas de um animal sacrificado, borra do café, jogo de varetas (I ching), búzios, ossos, pedras com símbolos (runas), números (numerologia e cabala), sonhos (jogo do bicho e loteria), presságios, aura, cartas do baralho comum e do tarô, são exemplos mais comuns.
Todavia, a quem cabe saber o futuro? Quem foi escolhido e quem o escolheu? Que necessidade é essa que move as pessoas a acreditarem no poder dos charlatães? Até quando esses ‘profissionais’ da adivinhação vão se locupletar ante ignorância da patuleia?
O futuro está em nossas mãos? Não em suas linhas, mas sim nas escolhas racionais e ponderadas que fazemos a cada instante. Está na partilha das coisas do mundo, no amor que podemos dispensar sem dó, na amizade que devemos cultivar e zelar, no conhecimento que devemos buscar e no desejo sincero de que essa humanidade dê seu tão urgente salto de qualidade.

Acesse o endereço abaixo, comprove como a lista é imensa e como essa pseudo-ciência viceja entre os alienados:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_m%C3%A9todos_de_adivinha%C3%A7%C3%A3o 

20 comentários:

  1. Olá Augusto!
    Mesmo com toda a evolução ainda existem pessoas alienadas que pautam suas vidas nessas crenças.É uma pena que elas não se reconheçam como seres responsáveis por suas escolhas.
    Delegar o roteiro de uma vida a outrem ou à uma crença é um suicídio.
    Excelente abordagem meu amigo. E eu como sou nascida num lugarejo chamado São Tomé, preciso ver para crer. Não sou dada a misticismos e crenças sem o menor fundamento. Vivo com os pés bem plantados no chão. A única fantasia que cabe na minha vida é a poesia.
    Um carinhoso abraço

    ResponderExcluir
  2. Professor, cismo que o mito desvendado ensinou o homem a querer transpor o tempo e a trocar o que tem, pelo que poderia ter, esquecendo-se no entanto que essa ideia não ocorreu a apenas uma pessoa, mas a centenas delas, dando força ao surgimento da charlatanice... E ainda hoje é assim, e acho que será bem mais lá na frente, isso não é uma adivinhação hein? rs

    Abraços pra ti

    ResponderExcluir
  3. Augusto. Creio ser o medo que causa toda essa alienação. Inclusive, muitas religiões usam o medo para persuadir os membros. Ótima reflexão a sua postagem. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela sua visita e comentário.

    Como sempre, textos muito bem escritos e versando assuntos de extrema importância.
    De facto, o futuro está nas nossas mãos e em cada ato, que praticamos. Apesar disso, a Humanidade parece ter necessidade de acreditar em algo externo.

    Comportamentos e mentalidades levam séculos a mudar.

    Bom fim de semana.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
  5. Que maravilha, sempre penso que o futuro depende muito do nosso presente por é aqui que plantamos.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Augusto..
    Eu não acredito em previsões.. acho que o futuro está em nossas mãos..
    Muitas pessoas dizem que já nascemos com nossos destinos traçados, mas eu não acredito..
    Eu penso da seguinte forma..
    Desde que nascemos temos sempre duas escolhas a tomar.. e quando chega a idade em que começamos a tomar nossas próprias decisões.. sempre temos duas opções.. somos nós que construímos nosso caminho..
    As pessoas as vezes colocam a culpa de seus fracassos em Deus, na natureza, no vizinho, na escola, no avó do cunhado da amiga do tio.. mas na verdade a culpa está na escolha errada que fizemos..
    Mas sei que existem muitas pessoas que acreditam em numerologia... cartas.. búzios..
    Respeito quem acredita.. porque cada um tem a livre escolha de acreditar naquilo que a faz se sentir bem..

    Agora uma coisa que eu acho super interessante são os signos.. eu não sou de acompanhar, mas às vezes leio sobre cada signo... e não sei como, mas ele fala sim um pouco de como somos.. isso me deixa intrigada às vezes..
    Quando eu leio o perfil de uma libriana eu posso me ver.. Daí eu penso.. Como pode? rsrs

    Confuso né? rssr

    Um beijo carinhoso viu?

    ResponderExcluir
  7. Oi Augusto!
    Gostei muito do texto.
    Conferi a lista de métodos de adivinhação,e comprovei que ela é extensa.Vai de A a Z!
    Muitas pessoas almejam prever o futuro,mas tudo que está acontecendo e que acontecerá conosco é,o efeito de nossas escolhas durante a vida.
    A humanidade precisa,mas não dará um salto de qualidade,pois a quantidade de alienados que acreditam nessa pseudociência é absurdamente numerosa.
    Abraços \o/

    ResponderExcluir
  8. Augusto, querido amigo, seu texto elucida muito bem o quanto o futuro está em nossas mãos. Charlatões estão soltos por ai, portanto, cuidemos das nossas escolhas.
    Parabéns!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. ---- ღ˘◡˘ღ
    Um belo texto, aqui da pra gente
    refletir um pouco + eu tbém não creio nisso apesar de ler sempre, mas só por curiosidade, e cada um de nós temos nossos livres arbítrio fazemos nossa caminhada por nossa fé e é assim... bem amplo para falar sobre esse tema
    Gostei vc cada vez mais mostrando os bons caminhos
    Bjuss
    Rita!!!

    ResponderExcluir
  10. Augusto, amei seu post, pois é professor, é bem assim, eu sou pisciana, não acredito em previsões dos signos, mas a minha personalidade é bem parecida com a maioria dos piscianos,com uma diferença, não me deixo levar pelas emoções sem controles, aprendi a ser eu mesma sem nunca me deixar influenciar pelo que vem de fora, por isso digo que acredito no que vejo e no meu sentir quando é bem forte e profundo.
    Nem sou religiosa, nada contra religiões, cada um pode ser o que querer.
    Essa leitura aqui abrange muitas outras coisas que daria para discutir bastante!
    Mas admiro muito as pessoas que escrevem e dizem o que sabem e pensam, pois é assim que podemos trocar bons conhecimentos, como disse e repito, amei o post!!!
    Grande abraço e bom domingo!
    PS.Amei saber que gostastes do meu poema, obrigada!

    ResponderExcluir
  11. É interessante que a crença dos povos antigos vinha diretamente da observação da natureza, e que era uma consequência direta da sua visão de mundo. Porém, como justificar a crença nessas mancias atualmente? Parece ser apenas o resultado da necessidade humana de aplacar sua angústia frente às incertezas da vida.

    ResponderExcluir
  12. Ivone, como diz o dito: 'é de pequenino que se torce o pepino.' Vc é mulher porque foi moldada para ser assim, independentemente do seu sexo; o torcedor aprende a amar o seu time logo no berço, quase todos os filhos seguem as crenças dos pais. Resumindo, somos produtos sociais e vc leu muito e acabou sendo uma pisciana, não porque quis ser, mas para validar socialmente a pseudo-ciência chamada horóscopo.

    ResponderExcluir
  13. Gostei,Augusto!Sempre trazendo um tema diferente de forma a nos fazer pensar.O futuro está em nossas mãos,mas não nas linhas adivinhatórias e sim em tudo que vc falou,em nossas escolhas e atitudes.Parabéns por esse ótimo texto!boa semana pra vc!

    ResponderExcluir
  14. Olá Augusto aprendi que signos nos diz aquilo que queremos para nós, geralmente queremos ser aqui que descreve as nossas qualidades, passamos acreditar naquela previsão, sou assim mesmo acertou em cheio. Viver lendo previsões nos atrapalha o esclarecimento da vida, o futuro somente a Deus pertence e procurar viver dia a dia de uma maneira sabendo que precisamos crescer como humanos e conviver com valores.
    Passando para te desejar uma
    Semana maravilhosa.

    ResponderExcluir
  15. Olá Augusto,

    Muito coerente seu texto!

    Acredito em muitas coisas e desacredito de outras tantas, e assim vou levando a vida com total lucidez de todas as minhas escolhas...

    Bjos

    ResponderExcluir
  16. Olá Augusto!

    Durante muitos anos fui muito, mas durante esse tempo não estava cega, pois ao longo dos tempos compreendi que Deus está em tudo: o visível e o invisível.
    A astrologia, não é uma charlatanice e muito menos um método de adivinhação. A astrologia é uma ferramenta que permite que nos conheçamos a nós próprios. É portanto, um método de autoconhecimento. Um estudo sério do mapa de nascimento da pessoa, não só revela a personalidade dela, como o seu modo de pensar, agir, as suas características, seu modo de se relacionar, que tipo de pessoa atrai para si, etc.

    Beijos,

    Cris Henriques

    ResponderExcluir
  17. Olá Cris! A astrologia não é uma ciência. Leia o comentário que fiz acima para a Ivone. As pessoas se conformam (entram na forma) com o que a sociedade quer que elas sejam. Somos produtos sociais e se conformar com um mapa astral é o que se espera para cada rótulo. Determinar um futuro para os nascidos neste ou naquele signo e exigir que eles se portem de acordo com suas características é resumir toda individualidade e humanidade em apenas doze formas. Cada indivíduo (indivisível) é uno, único, no tempo e no espaço e não pode, de modo proselitista, ser confinado a certa baia porque casualmente nasceu sob uma conjuntura.

    ResponderExcluir
  18. Importantes ponderações, Augusto.

    Viver é isto: percorrer os mapas com nossas escolhas e atitudes.

    Ótima terça para você!

    ResponderExcluir
  19. Muito bom esse texto Guto, infelizmente como disse existem pessoas que gastam fortunas em mapas e outras coisas, sei que muitos levam isso a serio e respeito, o duro são os charlatões que estão por ai e como reconhece-los?

    ResponderExcluir
  20. Olá Augusto,
    começo reafirmando contigo: "o homem vê o que quer ver";desconfio ser um ímpeto ancestral, este que faz com que se busque segurança no sobrenatural.Pena que sempre há os espertalhões enganadores da boa fé de muitos.
    Eu creio que nossos destinos não estão escritos nas estrelas e sim, escritos por nossos próprios punhos.
    Um bom papo é sempre bem-vindo.Obrigada por tuas gentis palavras lá no blog.
    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.