quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A erva e a montanha

Vi num banco um velho muito velho,
estático e de óculos escuros.
Não sei se lia no seu colo o evangelho
ou se refletia a frase pichada no muro.

“A vida é breve”, tingiu a mão estranha.
Em relação a quê? À erva sazonal
ou à mais velha montanha?
Ler e refletir não causa mal.

Em relação à pessoa, e erva é breve;
Já, à montanha, é algo sem igual.
No que se afirma não há certeza.

Tudo depende da natureza.
Ser novo ou velho é ser natural;
Relacionar é o que não se deve.

10 comentários:

  1. A vida é breve... Jovens ou velhos para o tempo não existe distinção, já que tudo é passageiro. Sejamos pois passageiros da nossa vida. Naturalmente, claro!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa que profundo eu adorei, esse
    seu lado poético tbém
    Muito gostoso de ler
    Parabéns
    Bjuss de quarta feira
    Rita!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto, boas e pertinentes observações em um poema.
    Um excelente final de ano. Feliz 2013.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá querido,

    Obrigada pela companhia neste ano e que 2013 seja um ano de muitas conquistas na Educação.

    Bj grande,
    Educadoras em Foco

    ResponderExcluir
  5. Excelente Augusto, ficou muito bom, ainda por cima com uma mensagem muito importante, gosto muito de te ler, um lindo inicio de ano pra ti, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  6. Olá Augusto,

    Gostei muito do poema, bem reflexivo!

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Grata pelas palavras professor. Um excelente 2013 a você e toda tua familia!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá Augusto!

    Espero que esteja tudo bem.
    Desculpa a ausência, um problema informático e o Natal, afastaram-me temporariamente da blogosfera.
    Os meus Parabéns pelo prémio 1º Xícara D'Ouro do blog Café Entre Amigos, da querida amiga Patrícia Galis.
    Muito obrigada pelo teu voto e também, pela tua amizade e apoio. :)
    Votos de um feliz ano novo com muita prosperidade, saúde e bênçãos.
    Parabéns ainda pelo soneto. Está muito bonito, mas reflexivo conduzindo-nos ao questionamento da vida.

    Um beijinho,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. VITORIA NUMERO 35 2D OI PROFESSOR QUANDO EU LEIU ESSE POEMAS EU TENHO UMA VONTADE DECHORA

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.