quarta-feira, 4 de julho de 2012

Um filme marcante

A antecâmara já anunciava que um mundo novo se descortinaria. A pouca luz acusava nas paredes grandes cartazes de filmes clássicos, mostrando os belos rostos de artistas famosos. O ano era 1.970 e eu, caipira de catorze anos, pisava em ovos e tentava não dar vexame com a primeira namorada da cidade. Era BV ainda e o misto de excitação e curiosidade fazia meu peito arfar, com o coração descontrolado. Ao atravessarmos as cortinas de um vermelho escuro e seboso, a sala de exibição se mostrou tão ampla que não contive uma exclamação. Tudo era de primeira vez. A vontade de beijar se alternava com a necessidade de registrar cada canto daquele lugar encantado. O filme anunciado era Floradas na Serra. Não entendi nada do filme, porque o propósito de ir ao cinema naquela tarde era outro, mas as imagens e as tomadas de primeiro plano do rosto da atriz ficaram marcadas em minha memória para sempre. Muito tempo depois, assisti ao filme na íntegra e as lembranças daquela tarde mágica retornaram. Desde aquele dia, prometi a mim mesmo que, quando pudesse me tornaria um cinéfilo. E assim foi. O filme brasileiro Floradas na Serra é de Luciano Salce, filmado pela Vera Cruz, em 1.954. Baseado em um romance de Dinah Silveira de Queiroz, conta a história de Lucília, uma moça rica que vai descansar em Campos do Jordão. Lá, descobre que está com tuberculose, mas ao tentar voltar para São Paulo, encontra Bruno na estação. Tempos depois, internada no sanatório, reencontra sua paixão e inicia um romance. Contudo, o amor de Lucília a consome, juntamente com sua saúde, enquanto Bruno se recupera e se intessa por Olívia. Lucília termina sozinha, na clínica, com suas lembranças. Os atores são Cacilda Becker (Lucília), Jardel Filho (Bruno), Ilka Soares , John Herbert e Célia Maria.
Cacilda Becker e Jardel Filho  

17 comentários:

  1. Que delicia de postagem, quantos garotos não viveram a mesma emoção, encontro com a namorada, primeiro beijo e o fascínio que a tela do cinema causa.
    Parabéns mais um postagem que nos emociona e diverte.
    Por coincidência esse filme passou no telecine cult e tive a oportunidade de assistir com certeza uma historia emocionante.

    ResponderExcluir
  2. Uma bela postagem, com um glamour todo especial...

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Augusto não tive como não me divertir com seu belo texto, não contei no meu post por vergonha, mas quando fui ver meu 1 filme tbm era para encontrar um menino que estava apaixonada, e claro quando filme começou o garoto dançou como diz minha filha, kkk nem lembrei de beijo, a tela me fez ficar em transe era nada menos que Noviça Rebelde imagina, dança, canto e atuação, não queria que chegasse o fim.
    Mais uma bela postagem, meus sinceros parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Nossa Augusto, concordo com a Patrícia, mais uma postagem emocionante e divertida..
    Muito linda e me levou a uma época que não era nascida mas que sou fascinada..
    As músicas, os filmes, as coisas dos anos 70, 80 são maravilhosas..
    Tenho uma filha de 15 anos que ja me confessou que adoraria ser dessa época rsrs
    Adorei a postagem..
    Sheila

    ResponderExcluir
  5. Que historia?? Muito bem escrita imagino a sensação que teve mesmo, eu fiquei assim quando fui ao cinema pela primeira vez, é algo que não da para explicar. Eu vejo o máximo de filmes que posso.
    Postagem show de bola professor.

    ps: já tive o azar tbm de ir ao cinema para namorar e ser trocado pelo filme kkkk

    ResponderExcluir
  6. Que linda postagem, assim romanceada por suas primeiras experiências de adolescente!
    Ah, me fez lembrar de tantos outros filmes da época!
    Eu sou também da mesma época, amei o post!
    Abraços
    Ivone

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo texto contou do filme marcante e porque de um jeito todo especial.

    ResponderExcluir
  8. Olá Augusto!
    Episódio divertido esse!!
    Ainda bem que mesmo em meio a tanto entusiasmo e encantamento,você lembrou o nome do filme para assisti-lo depois né?!
    A sétima arte é algo fascinante...
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  9. Bela postagem. E que história desse filme, hein?. Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Não sei o que me encantou mais a dica do filme ou sua narrativa.

    ResponderExcluir
  11. Menino que lindo esse post sobre o filme, que tbém gostei maravilha viu
    Parabéns pelo texto falando a sua recordação muito bom
    Bjuss
    Rita!!!!
    Vc não viu os meus!!!!

    ResponderExcluir
  12. Augusto quando fui ao cinema pela primeira vez quase nem pisquei tamanha emoção que senti.
    kkk ficou muito bom seu post com a historia esse sim foi um filme marcante.

    ResponderExcluir
  13. Olá Augusto, que bela lembrança daquela tarde! A descrição da entrada da sala do cinema com aquela cortina vermelho escuro,um tanto pesada e sebosa...veio de pronto na minha memória: igualzinha aquela que eu abria para entrar na sala do meu Cine Araruna! Valeu! Belo texto!Obrigada pela visita ao meu blog!
    Volte sempre!Te sigo! Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Uma abordagem diferente e interessante , adorei !! Parabéns pela blogagem.

    ResponderExcluir
  15. Augusto,muito legal sua postagem!O filme marcou por ter ido com uma menina,mas depois assistiu de novo e gostou!Divertida e interessante sua participação!bjs,

    ResponderExcluir
  16. Olá Augusto, conheci vc lá nos Professores Multiplicadores.
    Vou dar uma olhada no seu blog.
    Abçs, Genis
    http://redeeducacaoemfoco.blogspot.com.br/
    http://blogdagenis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi Augusto
    Emocionante a sua descrição do filme que deixou marcas lindas em sua vida. Recordações de um amor adolescente.
    Maravilhoso post. O filme eu não conheço mas depois deste emocionante depoimento vou procurar assistir com certeza. Um carinhoso abraço
    Gracita

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.