quarta-feira, 18 de julho de 2012

Sete fatos marcantes

Considero importantes em minha vida apenas os fatos que alteraram definitivamente a maneira de eu ver e encarar a realidade, que possibilitaram minha compreensão das coisas e das pessoas e delinearam minha personalidade. Tantos fatos ocorridos em minha história foram arquivados ou esquecidos de forma deliberada porque não foram suficientes para recompor meu rumo e futuro. Na minha existência, que já ultrapassa meio século, acompanhei vários fatos e inovações na medicina, astronomia, engenharia, genética, eletrônica e em outras áreas, que me permitiram ter uma vida mais confortável. Poderia citar inúmeros fatos que me sensibilizaram bastante, mas que, embora importantes, não foram capazes de modificar minha existência. Confesso que a morte da cantora Elis Regina, a quem tinha verdadeira paixão, me deixou muito triste, mas em nada alterou minhas ações no mundo. (1) Já, a morte de meu pai quando tinha apenas dezessete anos, foi considerável pelo fato de ter de amadurecer rapidamente no momento em que mais precisava dele. Quando, além de filho, me tornei amigo de meu pai, tive de encarar a realidade e compreender que cada indivíduo é separado de tudo e de todos, independentemente das relações que cada um tem com as coisas e pessoas. (2) Quando me mudei para São Paulo, para cursar Filosofia, tive de me adaptar e compreender que as relações entre as pessoas são fugazes, que muitas ficam pelo caminho e que outras preenchem novos espaços, que os parentes ficam, mas não são mais os mesmos e que se encontra também muitas pessoas interessantes fora desse círculo. (3) Na faculdade, dividido e transitando entre grupos distintos, fui forçado a me despir da moral católica e mostrar minha cara. O grupo católico, extremamente moralista, se opunha ao dos leigos, com alguns elementos sabidamente usuários de maconha. A droga não me atraiu, mas o que eles tinham a oferecer para um simples matuto era uma existência despojada de conceitos e pré-conceitos que se mostravam insustentáveis numa cidade cosmopolita. (4) O teatro completou minha nudez perante as pessoas e, quando me vi nu, tive de compreender que a verdade é sempre soberana, que o jogo das relações faz parte de um cenário comum, que a trama da vida se desenvolve acima e além do cotidiano, que a liberdade de ser vai além do simples fazer. (5) No topo de Machu Pitchu, contemplei a vastidão da Terra e meditei sobre minha estada nela. Com vinte e cinco anos tive de compreender, antes mesmo que os tratados sobre ecologia e a responsabilidade dos humanos sobre o planeta explodissem, que também tinha responsabilidade, principalmente através dos exemplos e da minha voz. Como professor, sempre tive a oportunidade de discutir e encaminhar proposições sobre comportamento ético com a mãe Gaia. Ajudei a criar duas ONGs, uma para defender os cetáceos do litoral de Iguape e outra para preservar o ecossistema de Campos do Jordão. (6) Ante a ameaça de o Congresso não aceitar o impeachment de Collor, insuflei meus alunos a ligarem para os Grêmios e Centros Acadêmicos de outras escolas e se informarem se a moçada iria se posicionar ou esperar a grande pizza. A pólvora foi acesa e ninguém mais segurou a galera. Enquanto muitos de meus colegas preferiram ver o acontecimento dos “caras pintadas” pela tevê, quase desloquei meus braços na Avenida Paulista, agitando uma imensa bandeira preta, com os dizeres “Fora Collor”. Isso me fez compreender a força revolucionária da juventude. (7) Entretanto, o acontecimento mais importante, e que continua acontecendo, foi minha tomada de consciência de que sou um ser vivo e que participo desse mistério e maravilha que é a vida. Todos os dias percebo e tento fazer pelo menos uma coisa útil, aprender algo, ensinar e partilhar um conhecimento, produzir e deixar minha marca, ser feliz e fazer a felicidade acontecer. Do contrário, viver não teria sentido algum e todos os fatos citados poderiam ser esquecidos como tantos outros.

24 comentários:

  1. Oi Augusto, como sempre... Um excelente post...
    É muito interessante ver a forma como você coloca as coisas.. O modo como nos passa suas experiências, os momentos vividos..
    Eu já fico por aqui esperando ansiosa por suas Blogagens Coletivas..
    Tenha um excelente finzinho de tarde..
    Sheila

    ResponderExcluir
  2. Uauuu, que trajetória a sua, muito aprendeu, eu tbém refleti no topo de Machu Picchu, senti uma sensação indescritível no topo daquela montanha, gostei do que disse sobre as pessoas nas nossas vidas, o vai e vem que deixam lacunas, enfim, ótimo texto fez sobre os fatos marcantes da sua vida, parabéns! Abraços

    ResponderExcluir
  3. Oi Augusto :)
    Você não está sendo apenas mas um na multidão.Isso está bem explícito nessa postagem.
    Às vezes é mais confortável cruzar os braços e não ter comprometimento e envolvimento com coisas relevantes e significativas.
    Mas que graça teria né?
    Ficar estático entre uma multidão cinza,não faz sentido.
    (São interessantes os sete fatos marcantes que vc descreveu).
    Post muito bem elaborado.
    Boa noite,bjs!

    ResponderExcluir
  4. Olá Augusto
    É impressionante a maneira como você coloca os fatos. Claro que temos que nos ater que estamos nesta com um propósito o de ensinar e aprender. Só um ser humano notável como você para se desnudar perante seus leitores e falar com esta franqueza e sinceridade que vem do âmago de sua alma. Com certeza amigo você está deixando sua marca e sua contribuição porque você faz acontecer. Suas reflexões me inspiram. Tenho um gostinho especial pela filosofia. Não tenho conhecimento mas aprecio. Você é uma daquelas pessoas que eu gostaria de ter o privilégio de conhecer pessoalmente. Mas... vamos nos conhecendo virtualmente. Magnífico seu post. Amei!
    Um carinhoso abraço
    Gracita

    ResponderExcluir
  5. Me senti como você muitas vezes, nossa, somos da mesma geração, vi muitas vezes os enormes e lindos cavalos dos soldados do Exército, sendo jogados em cima dos estudantes no tempo da Ditadura Militar,eu estava lá, pois é!
    Me lembrei com tristeza do início do governo Collor, pois meu marido e eu quase perdemos nossa micro empresa,os motivos bem sabes, minha mãe morreu de enfarto em maio de tanta preocupação.
    Tenho escrito tudo, todos os momentos que me marcaram e mudaram minha vida, enfim...
    Abraços professor, amei a postagem, sempre amo o que escreves aqui!
    Ivone

    ResponderExcluir
  6. Eita mano que fala bonito só rsrsrs
    Mas é verdade tem muitas coisas que marca, e outras nem tanto mas sempre fica na memória mesmo a gente não querendo
    Belo post o de hj gostei
    Abraços
    Bjus
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  7. O que comentar de um texto impecável...sem palavras, simplesmente perfeito!

    Abçs

    ResponderExcluir
  8. Não sabia da sua participação na criação das duas ongs, com certeza viveu momentos determinantes não somente na sua vida mas num todo.
    Parabéns mais um belo texto.

    ResponderExcluir
  9. Sem duvida fatos marcantes, ficou excelente a forma que detalhou.

    ResponderExcluir
  10. Augusto, com certeza tens uma grande bagagem cheia de história pra contar. Mas é verdade, as vezes paramos para fazer um balanço em nossa vida e de repente tem coisas que preferimos que caia no esquecimento.

    A atitude de incentivar a juventude em sua luta foi louvável, mas será que não houve outros momentos na hist´ria do país que precisou e precisa que a população saia nas ruas, não somente os estudantes.

    O sistema de corrupção instalado no governo que ficou conhecido como 'mensalão' e segundo consta vai a julgamento em breve mão seria um bom motivo para mobilização da sociedade?

    Se fazem de tudo para que o povo esqueça os fatos nesse país. Quero agradecer seu comentário la no blog.



    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Tudo que viveu daria um bom livro gostei muito.

    ResponderExcluir
  12. Muita coisa pra contar hem?? Bom demais essa vida.

    ResponderExcluir
  13. para J. Araújo. Com a economia aquecida e empregos à vontade, quem vai se lixar para o mensalão? A isso se chama alienação política. Quando professores ameaçam entrar em greve por melhores condições e salários (há vinte anos que o governo nem se importa com essa categoria), a sociedade é a primeira a se opor. Quem ficará com os filhos deles? Esses vagabundos estão parados de novo? Essa omissão do patrio poder é crime, mas uma sociedade acomodada e facilmente corruptível, alienada em vários sentidos pode ser conduzida à revolução? Não há quem não precise de um professor, mas essa moçada de agora só pensa em falar pelo celular e está mais acomodada que os pais. Tenho até receio do que virá. Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Olha eu de novo professor! Tenho uma surpresa, dê uma passada no blog Serra de Minas. Espero não te-lo decepcionado, porque na verdade, o post foi inspirado no seu.

    Obrigado,

    abraço

    ResponderExcluir
  15. Fantástico seu texto,também comungo a idéia de precisamos viver cada minuto da vida e que presisamos fazer valer nossa presença nesse mundo. Também estive no Peru e visitei O Vale Sagrado dos Incas, viagem que me fez compreender que precisamos defender a natureza e encontrar o belo nas coisas simples... Mas, vai lá no Ostra votar em meu poema, me dá uma força aí...Rs... Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Amigo, na verdade sou uma professora decepcionada com o movimento político. Participei como vc dos movimentos ativistas qdo. mais jovem, também balancei a bandeira vermelha do socialismo e hoje vejo meus amigos no poder. Para vc ter uma idéia fui professora de Marina Silva ainda no antigo ginásio. Hoje não acredito em nada, os honestos quando chegam ao poder se acovardam ou entram nos esquemas. Não sei o que será do nosso país. Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Olá Augusto, teremos enorme prazer de publicar seu blog no Educadores Multiplicadores.
    Augusto, em respeitos a todos os outros multiplicadores, as regras devem ser seguidas por todos, e também para que seu blog possa ser beneficiado de todas as vantagens e oportunidade de poder está em evidência sempre.
    As normas e vantagens estão postadas neste link: http://www.educadoresmultiplicadores.com.br/2012/06/seja-um-educador-multiplicador-divulgue.html
    Certo de sua compreensão, fique na paz, abraço e até breve!

    ResponderExcluir
  18. Augusto como sempre seus textos nos deixam maravilhada parabéns menino por tudo vivido.

    ResponderExcluir
  19. Olá Multiplicador Augusto, como prometido, seu blog já foi divulgado. Fiz de coração, espero que goste!
    Aqui está o link da publicação:
    http://www.educadoresmultiplicadores.com.br/2012/07/multiplicador-saber-e-preciso.html

    Faça uma visitinha especial ao blog Educadores Multiplicadores! Abra as páginas e veja como ficou.
    E já sabe, seu blog poderá ficar em evidência todos os meses, conforme as normas.
    Parabéns pelos textos, fique na paz, abraço e até breve!

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde professor! gostei muito das suas postagens, estou seguindo o seu blog, convido você a fazer uma visita ao meu se gostar participe. Um feliz final de semana.

    ResponderExcluir
  21. Professor Augusto,voltei aqui para reler esse post muito interessante, tanto quanto os outros, e também aos comentarios que por sinal são muito bons, aprende-se lendo muitas opiniões, trocas de conhecimentos!
    Concordo plenamente com o que respondestes ao J. Araújo, pois é mesmo assim, os jovens estudantes já não se engajam mais, os professores não conseguem mais passar tudo o que eles se propõem, o Estado não está nem aí, como sempre, com a educação,não convém que saibam ou que usem as inteligencias para se oporem a tudo o que está aí.
    Abraços e parabéns, esse blog me interessa sempre!
    Ivone

    ResponderExcluir
  22. Olá Augusto :)

    Praticamente em nossa vida sempre temos fatos marcantes, ruins ou bons.
    Os bons partilhamos e os ruim que sirvam de aprendizado.
    Gostei muito,pois aborda fatos acontecidos em nossa vida.

    Nome:Vinicius N:32 Série: 1 B

    ResponderExcluir
  23. Olá Augusto :)))
    Gostei muito do seu texto,pois em nossas vidas temos respectivas fatos que marcam como os que não marcam ,e concordo contigo,que ten que produzir e deixar marcas, ser feliz e fazer a felicidade acontece!!!

    parabéns,belissimo texto!!

    Nome:Sabrina N:29 Série: 1 ANO B

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.