quarta-feira, 2 de maio de 2012

Mordendo a própria cauda.

Uma relação construída através do respeito se fortalece e todos se beneficiam dela. Filhos obedecem aos pais, os alunos, aos professores, os operários, ao empregador. Esses exemplos não são de uma obediência servil, pois ela se baseia no respeito. Ouvir o que o outro tem a dizer, permitir que uma pessoa se defenda de uma acusação, liberar um assento a uma pessoa idosa, parar o carro para que as pessoas cruzem a faixa com segurança, aguardar sua vez numa fila e muitos outros são exemplos de respeito ao próximo. As atitudes que demonstram respeito fortalecem as relações humanas, os laços de cidadania, de civilidade e fazem com que as pessoas que agem assim sejam respeitadas também. É comum alguém dizer: "Respeito é bom e eu gosto!" Pois bem, para que se tenha respeito, deve-se respeitar também, não é? Quando se estabelece uma relação baseada no poder, ela se dá através da imposição, do medo, da chantagem. Neste caso, a obediência não é espontânea e nem respeitosa. Os dois lados saem perdendo sempre, porque o poderoso não respeita o mais fraco e este, quando pode, reage com sentimento de vingança. É difícil para um filho dizer que não gosta de sua mãe, porque os olhares se voltarão contra ele e o condenarão, porque é inadmissível para a sociedade não gostar de uma mãe. Bem, nem todas as mães são amorosas, há algumas até muito horríveis. Alguns pais abusam do pátrio poder e sacrificam seus filhos, forçando-os a trabalharem e negando-lhes o acesso à educação, à cultura e ao lazer. Os filhos geralmente se espelham nos comportamentos dos pais para nortearem os seus, perpetuando assim um ciclo de ações pouco civilizadas. Ouroborus? Alguns patrões ameaçam seus funcionários de demissão, de transferência de setor ou de turno e impõe-lhes condições ilegais de trabalho, mascarando sua própria incompetência. Há professores que ameaçam os alunos de reprovação, porque não sabem promover um clima de respeito e de aprendizagem. Certos maridos intimidam suas esposas, não respeitam as regras da casa, não ajudam nos trabalhos domésticos, não participam da educação dos filhos, dão maus exemplos e ainda reclamam seus direitos de macho. Ser macho é até muito fácil de ser, em qualquer esquina se encontra um macho. Até cachorro é macho! Mas ser homem é mais difícil, mas eles não percebem que pode ser muito melhor. Mesmo com todos os avanços sociais e legais, percebe-se que a humanidade não está melhorando. Será que o desrespeito está sistematicamente sendo ensinado para gerar indivíduos capazes de sobreviver em uma sociedade desrespeitosa? Dê sua opinião e comente sinceramente sua postura sobre esse assunto.

4 comentários:

  1. Belo texto, muito reflexivo!

    Se respeitássemos verdadeiramente uns aos outros, teríamos um sociedade muito mais evoluída.

    Mas pelo que vemos, vivemos bem longe de uma possível melhora nao é?

    Abçs

    ResponderExcluir
  2. Vejo isso diariamente,tem pessoas que são educadas sim,mas tem uns que quase te atropela,sem o menor respeito.Quanto ao Macho,tá cheio deles por ai,o que é uma pena a educação não fazer parte da metade do mundo..Eita gente grossa!!

    Bom final de semana!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu acredito que a falta de educação é geral sei que muitos pais, professores e até parentes lutam muito para passar isso a juventude, mas com a cabeça de vento que eles tem hoje, outro dia fui subir em um coletivo aqui em Minas nisso uma senhora entrou na minha frente me afastei para que ela pudesse subir com calma, um menino de uns 15 anos praticamente me atropelou e disse sai da frente dona fica ai bloqueando a porta, disse calma garoto a senhora esta subindo, se acredita que ele passou por mim e por ela, nisso a coitada perdeu o equilibrou só não caiu para trás pq fui rápida em segurar suas costas, o que esperar disso? Falta respeito, paciência e etc...

    ResponderExcluir
  4. kkk muito bem dito até cachorro é macho, quero ver é ser educado, gentil, tolerante.
    É lamentável ver o rumo que estamos tomando e acho que vai ser cada vez pior.

    ResponderExcluir

A configuração de comentários foi ativada.

Obrigado por passar neste espaço.
Deixe sua participação.